domingo, 31 de julho de 2011


Jogo da Semana: Dead Space 2


Foi em 2008 que Dead Space se apresentou ao mundo, chegando de forma tímida e para competir com os grandes do género: Silent Hill e Resident Evil. Embora tenha passado despercebido para muitos, Dead Space mostrou que o estilo survival horror continua de boa saúde, tornando-se para muitos o melhor jogo de horror desta nova geração de consolas.
Para alegria dos fãs da série, a Visceral Games, produtora encarregue da série, anunciou – para o agrado de muitos - a sua sequela. Porém, alguns fãs desanimaram quando se soube que a produtora pretendia tornar Dead Space 2 um jogo mais virado para a acção, e vários foram aqueles que pensavam que a atmosfera do primeiro jogo seria perdida. Nesse campo, eu posso-vos assegurar que a Visceral Games foi bem sucedida, mantendo uma atmosfera de cortar a respiração.
Dead Space 2 ocorre três anos após o final do jogo original. Isaac Clarke encontra-se em Sprawl, uma enorme cidade mineira situada em Titan. Para evitar ser um desmancha-prazeres, vou deixar que vocês descubram a história por vocês e caso já não se lembrem do que se passou no jogo original, Dead Space 2 oferece um vídeo que recapitula os acontecimentos do primeiro jogo, introduzindo-vos a esta nova aventura.


Isaac Clarke, o protagonista deDead Space e Dead Space 2, mostra-se muito mais versátil na utilização do arsenal bélico assim como na utilização dos ataques corpo-a-corpo – o que não acontecia no primeiro. Mas apesar do arsenal bélico ter uma maior conotação neste jogo, é-me impossível negar o excelente trabalho que a Visceral teve na concretização de um ambiente de causar calafrios. O jogo provoca uma tal sensação de insegurança que serão raras as vezes que vocês irão andar sem fazer mira, ou olharem à vossa volta à procura de algo, após terem ouvido um som desconhecido. E acreditem, que vocês nunca se sentirão seguros mesmo com um inventário cheio de medi-packs e armas carregadas de munições.
Não há dúvidas que Dead Space é um excelente survival horror mas no que toca à jogabilidade, o jogo tinha os seus pequenos problemas, principalmente, nos já referidos ataques corpo-a-corpo. Pois bem, por forma a trazer um jogo mais robusto, a Visceral Games teve o cuidado de refinar a jogabilidade e, graças a isso, Isaac Clarke movimenta-se de uma maneira muito mais fluída e todas as acções passiveis de serem realizadas ocorrem de uma forma muito mais natural. Um excelente exemplo disso, é a maneira fácil de utilizar a habilidade Kinesis, sendo esta um dos pontos altos de Dead Space 2 e uma óptima maneira de poupar munições. Através da Kinesis, Isaac pode controlar objectos espalhados pelo cenário – como os Jedi fazem nos filmes do Star Wars – e até empalar os Necromorphs com pedaços dos seus corpos. Apesar de parecer complicado, a realização destas acções é bastante simples e após usarmos a Kinesis duas ou três vezes, torna-se algo perfeitamente natural.
Como disse anteriormente, a Visceral quis trazer mais acção para Dead Space 2 e por essa razão, temos uma componente mais militar e confrontos mais frequentes contra numerosos grupos de "bichinhos" que nos querem comer. É precisamente nestas secções que temos e necessitamos de usar todo o arsenal ao nosso dispor, seja através do armamento ou do Stasis, uma habilidade que permite abrandar o tempo.


De volta, estão as famosas secções de gravidade zero, e graças a um upgrade que a Visceral Games fez ao fato de Isaac Clarke, estas secções tornaram-se muito mais dinâmicas e empolgantes. Isto, porque a produtora incluiu jactos no fato de Isaac por forma a podermos controlá-lo de uma forma livre, como se estivéssemos realmente no espaço, sem gravidade.
Mas Dead Space 2 não era nada sem as “bichezas” que o tornaram famoso. Os Necromorphs estão de volta e para além de terem sofrido um upgrade visual, que faz com que o jogo da Visceral pareça a casa dos horrores, a produtora teve o prazer de trazer algumas novidades horripilantes. O Puker que, como o nome indica, manda vomito na nossa direcção; os Crawlers que rastejam de barriga para cima e explodem quando se sentem “aconchegados” perto de Isaac; os Cysts que são nada mais nada menos que pequenos “quistos” colocados em locais mais recônditos, libertando um projéctil explosivo e por fim os Stalkers, que utilizam as sombras e cenários para ocultar a sua presença até se lançarem na nossa direcção para nos mandar uma violenta cabeçada, voltando rapidamente para as sombras. Dead Space 2 apresenta assim uma boa variedade de inimigos que costumam aparecer em boas doses e com o único propósito de nos matar.


Para evitarmos tal destino, Dead Space 2 brinda-nos com um leque de armas capazes de fazer bastantes estragos. O espectacular Plasma Cutter está de volta assim como o Contact Beam, Line cutter e o Flamethrower. Como novas adições, temos a Seeker Rifle, Detonator, e o Javelin. A mecânica mantém-se a mesma do primeiro, ou seja, irão encontrar zonas onde poderão fazer upgrades ao vosso fato e armas, que irão usar para desmembrar os Necromorphs. Mas embora esta última acção possa parecer monótona, Dead Space 2 é bem sucedido em oferecer-nos várias maneiras de os matar, sem que tenhamos a sensação de repetição – devo frisar como é bom empalar os “bichinhos” com partes de outros Necromorphs já defuntos.


Quando chegarem ao fim desta violenta aventura que dura entre 10 a 12 horas, irão desbloquear a dificuldade hardcore, onde apenas poderão gravar três vezes. Mas se isso não chega, Dead Space 2 entra no mundo online pela primeira vez na série. Apesar de não ser o melhor modo multijogador de sempre, este consegue desempenhar bem a sua função. A premissa gira à volta dos humanos contra Necromorphs que são divididos em duas equipas de quatro, onde os humanos terão de (tentar) cumprir um determinado objectivo, enquanto os “bichinhos” terão de os impedir. A parte engraçada de ser Necromorph, chega através das suas quatro espécies diferentes, que possuem uma maneira bastante violenta de acabar com a vida dos humanos. Muito ao género dos modos multijogador que se vêem por aí, também em Dead Space 2 vocês terão oportunidade de subir de rank, desbloqueando novos fatos e armas.


Em suma, Dead Space 2 é em tudo superior ao original. A Visceral apresenta-nos um Isaac diferente do que já tinha sido visto, tornando a personagem muito mais humana mas deveras peturbada, sendo constantemente confrontado, no decurso da campanha, com os seus dilemas pessoais. Os ambientes que nos envolvem durante toda a aventura são, do ponto de vista técnico, do melhor que já foi feito. A mistura dos elementos gráficos - o gore, texturas detalhes e até o Isaac ensanguentado da matança dos Necromorphs - com os sonoros, que reproduzem fielmente todos e quaisquer pormenores - tubos a deitar fumo, Necromorphs a andarem nas ventilações - fazem deste Dead Space 2 um jogo ultra recomendado para os fãs da série e para os amantes do género survival horror.

Bruno Sirgado in MyGames

sábado, 30 de julho de 2011

Tour de France - Cadel Evans Campeão do Tour 2011



Como esperado, Cadel Evans conquistou (Domingo 24/07/2011) o título da Volta à França e tornou-se o primeiro Australiano a ser Campeão da mais prestigiada prova do ciclismo mundial. Evans, de 34 anos cruzou neste domingo a linha de chegada da 21ª e última etapa nos Champs-Elysées na 56ª posição, com o mesmo tempo do primeiro classificado.
A última etapa da Volta da França, realizada entre Creteil e os Champs-Elysées, em Paris, teve um percurso de 95 quilómetros, possuindo tradicionalmente um caráter formal, sem disputa de posições, assim, Evans garantiu praticamente o título da Volta da França no Sábado, quando assumiu a liderança da classificação geral após o contra-relógio em Grenoble. 


Evans conquistou o título da Volta da França com um tempo total de 86 horas, 12 minutos e 22 segundos, sendo o luxemburguês Andy Schleck  vice-campeão pela terceira vez consecutiva, com uma desvantagem de 1 minuto e 34 segundos para o vencedor e o seu irmão Frank Schleck posicionou-se em terceiro, seguido pelo francês Thomas Voeckler e pelo espanhol Alberto Contador, que era o actual bicampeão da disputa.
A 21ª e última etapa da edição da Volta à França foi vencida pelo terceiro ano consecutivo pelo britânico Mark Cavendish, com o tempo de 2 horas, 27 minutos e 2 segundos, terminando também com a camisola verde destinada ao melhor velocista da tradicional prova de ciclismo. A camisola às bolinhas atribuída ao melhor da montanha foi conquistada pelo campeão olímpico Samuel Sanchez, de Espanha, enquanto o que melhor jovem ciclista foi o francês Pierre Rolland. 
Por equipas a Garmin-Cervelo venceu a edição de 2011 da Volta da França.
Cadel Evans, de 34 anos, foi vice-campeão da Volta da França duas vezes, em 2007 e 2008, antes de se tornar Campeão da Volta à França, nas outras duas principais provas do ciclismo mundial, o australiano tem como melhores resultados o quinto lugar do Giro da Itália de 2010 e a terceira posição da Volta da Espanha em 2009. 

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Quanto Sinto, Penso


Severo narro. Quanto sinto, penso.
Palavras são idéias.
Múrmuro, o rio passa, e o que não passa,
Que é nosso, não do rio.
Assim quisesse o verso: meu e alheio
E por mim mesmo lido.
Ricardo Reis in "Odes"

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Goldfrapp - Ooh La La

Dial up my number now
Weaving it through the wire

Switch me on
Turn me up
Don't want it Baudelaire
Just glitter lust
Switch me on
Turn me up
I want to touch you
You're just made for love

I need la la la la la la
I need ooh la la la la
I need la la la la la la
I need ooh la la la la

Coils up and round me
Teasing your poetry
Switch me on
Turn me up
Oh child of Venus
You're just made for love

I need la la la la la la
I need ooh la la la la
I need la la la la la la
I need ooh la la la la.

I need la la la la la la
I need ooh la la la la
I need la la la la la la
I need ooh la la la la.

You know I walk for days
I wanna waste some time
You wanna be so mean
You know I love to watch

I wanna love some more
It'll never be the same
A broken heel like a heart
I'll never walk again

YEAH!

I need la la la la la la
I need ooh la la la la
I need la la la la la la
I need ooh la la la la

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Estreia da Semana: Super 8

O filme “Super 8″ é o novo projecto de Steven Spielberg e de JJ Abrams (produtor da série “Lost”). O filme tem como tema os extraterrestres e a Área 51 (área secreta americana no deserto do Nevada). JJ Abrams vai, também, inspirar-se nos seus filmes de infância preferidos, alguns deles da autoria de Steven Spielberg. O elenco do filme é constituido por Elle Fanning, Kyle Chandler, Ron Eldard, Noah Emmerich, Gabriel Basson, Joel Courtney, Ryan Lee, Zach Mills e Amanda Michalka.

in BestCine

terça-feira, 26 de julho de 2011

The Doors - Love Street


She lives on Love Street
Lingers long on Love Street
She has a house and garden
I would like to see what happens

She has robes and she has monkeys
Lazy diamond studded flunkies
She has wisdom and knows what to do
She has me and she has you

She has wisdom and knows what to do
She has me and she has you

I see you live on Love Street
There's this store where the creatures meet
I wonder what they do in there
Summer Sunday and a year
I guess I like it fine, so far

She lives on Love Street
Lingers long on Love Street
She has a house and garden
I would like to see what happens

La, la, la, la, la, la, la
La, la, la, la, la, la, la
La, la, la, la, la, la, la
La, la, la, la, la, la, la
La, la, la, la, la, la, la

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Às Vezes Tenho Idéias Felizes



Às vezes tenho idéias felizes,
Idéias subitamente felizes, em idéias
E nas palavras em que naturalmente se despegam...

Depois de escrever, leio...
Por que escrevi isto?
Onde fui buscar isto?
De onde me veio isto? Isto é melhor do que eu...
Seremos nós neste mundo apenas canetas com tinta
Com que alguém escreve a valer o que nós aqui traçamos?... 


Álvaro de Campos in "Poemas"

domingo, 24 de julho de 2011

Jogo da Semana: Total War: Shogun 2




Foi há muito, muito tempo, que eu utilizava o Shogun para recreação pessoal e me divertia a utilizar os ninjas ou gueixas para matar generais inimigos, controlar exércitos massivos e, numa determinada altura, recebia os portugueses – sim, eles estavam presentes no primeiro jogo - que me traziam o “dom” da pólvora.Agora, passados praticamente 11 anos desde o original, a Creative Assembly, regressa com oTotal War: Shogun 2, com a promessa de fazer-nos revisitar o Japão feudal, oferecendo-nos a qualidade inerente de um jogo Total War. Para além disso, a produtora , de certa forma, regressa às origens através da “simplificação” do jogo, comparativamente com os dois últimosTotal War.Total War: Shogun 2 passasse em 1545, e nós representamos um poderoso líder de um dos nove clãs, cada um com as suas habilidade, que tem como ambição destruir os seus inimigos e fazer da sua espada a lei, tornando-se o Shogun supremo. Mas isto é só a ponta do icebergue, pois para completarmos o objectivo, iremos passar várias décadas a tomar conta da nossa população, a criar relações diplomáticas e a vergar províncias rivais.


Se estão familiarizados com os jogos Total War, então sabem que este se divide em duas fases muito distintas. Total War: Shogun 2 não é diferente e se na primeira fase teremos uma estratégia por turnos, onde temos de gerir o nosso império, na segunda, damos azo aos combates e estratégia em tempo real, onde controlamos exércitos em combates de grande escala.A primeira fase é crucial para alcançarmos o nosso objectivo e é através dela que iremos estabelecer alianças, trocas comerciais, manter a nossa população contente e desenvolver o nosso exército, enquanto mantemos o olho nos nossos adversários. Porém, Total War: Shogun 2 exige decisões ponderadas e, principalmente, um líder com a capacidade de as tomar na altura certa. Conquistem muitas terras num espaço curto de tempo e irão atrair a atenção dos vossos inimigos. Demorem muito tempo e terão o prazer de visualizar o roubo do trono de Shogun para outro clã. Cada decisão traz possíveis consequências, tornando-as, por vezes, ainda mais importantes que o combate propriamente dito.


Mas é nos combates – em terra ou no mar - que podemos visualizar todo o esplendor de Total War: Shogun 2. Não só pelos incríveis visuais com que somos presenteados, mas pelo facto da IA ter sido melhorada, oferecendo-nos batalhas dignas de ficarem para a história. Algo que também contribui para isso, é o facto das classes terem sido simplificadas, ou seja, resumidamente, existem arqueiros, espadachins, cavalaria e lanceiros. Todos estão subjugados a uma “cadeia alimentar” que nos diz que os espadachins dão cabo dos lanceiros, os lanceiros dão cabo da cavalaria e por aí adiante. Esta simplificação das classes de combate permite-nos focar essencialmente no combate. Em adição e como já foi referido, existem também as batalhas navais, que servem o seu propósito mas que não oferecem o mesmo nível de profundidade das batalhas em terra.Como disse, a IA foi alvo de revisão, apresentando-se bastante melhorada, exibindo comportamentos dignos de referência. Se deixarmos um flanco desprotegido, a IA encarregar-se-á de explorar essa debilidade. O mesmo acontece com os arqueiros que procuram terreno mais alto e se escondem nas árvores ou através do afastamento da cavalaria dos lanceiros. Porém, se quiserem pôr à prova as vossas habilidades, Total War: Shogun 2 oferece a fantástica possibilidade de enfrentarem jogadores de carne e osso em missões para a campanha.

O Avatar Conquest mode é recebido de bom agrado e é nele que poderemos fazer combates contra jogadores de carne e osso, formar um clã e posteriormente partir à conquista do território japonês. Neste modo gerimos um “eu” virtual, que podemos personalizar com novos acessórios e habilidades (capacetes, armaduras, skill etc...), que são desbloqueados consoante as nossas acções no terreno. Para além disso, neste modo, não precisamos de nos preocupar com a gestão das nossas províncias, sendo o foco as lutas online 1 vs 1 ou em combates por equipas. E como se trata de um modo online, a evolução é uma constante, sendo a principal responsável pela abertura de novas portas e habilidades.


Mas toda esta acção é acompanhada de detalhes visuais e animações impressionantes, apenas desfrutados com uma máquina artilhada. Cada soldado tem uma cara diferente e uma animação independente, dando uma excelente sensação de imersão na batalha. As flechas incandescentes rasgam os céus, deixando um rasto de fumo durante sua passagem ao mesmo tempo que causam um efeito espectacular quando em contacto com o chão, inimigo e/ou casas que estejam no caminho. As paisagens também demonstram uma rara beleza e olhando para aqueles montes verdejantes ou cheios de neve, em que o sol espreita de forma tímida, nunca nos passaria pela cabeça que são o palco para confrontos mais cruéis e implacáveis que poderíamos assistir.O departamento sonoro é tudo o que podíamos esperar. O acompanhamento musical é o típico tradicional japonês, com tambores que elevam o espírito durante as batalhas e melodias mais calmas utilizadas, por norma, durante a fase de turnos, não estivéssemos nós a falar de um jogo que retrata o Japão Medieval. Algo deveras interessante, é-nos oferecida através da possibilidade de ouvirmos os discursos do nosso general, em japonês e devidamente legendados em inglês, antes do começo de cada batalha.Em suma, Total War: Shogun 2 traz-nos uma imensidão de conteúdo, capaz de nos manter entretidos por muito e muito tempo. A Creative Assembly está de parabéns Para além de ser um “must have” para os fãs da série, qualquer pessoa que aprecie um bom jogo de estratégia deve, no mínimo, experimentá-lo. Estamos perante um dos melhores e mais completos jogos de estratégia da actualidade.

Bruno Sirgado in MyGames

Tour de France - Cadel Evans bate Schleck e leva a Amarela

Australiano da BMC é o sucessor de Alberto Contador. Tony Martin venceu o contra-relógio que decidiu tudo e acabou com o sonho de Andy Schleck.


Está encontrado o vencedor da Volta a França 2011. Salvo qualquer anomalia na etapa de consagração, Cadel Evans vai suceder a Alberto Contador e tornar-se o primeiro australiano a vencer a prova rainha do ciclismo mundial, depois de um contra-relógio extraordinário, onde não deu hipóteses a Andy Schleck, que partiu de amarelo.
Sensivelmente a meio da etapa, já se percebia que seria Evans a vestir a amarela na chegada a Paris. O luxemburguês partia com uma vantagem de 57 segundos, que se revelou insuficiente, dada o maior à vontade do corredor da BMC nesta especialidade. 
A diferença não só foi pulverizada como aumentada, com o mais novo dos irmãos Schleck a ficar no segundo posto, a 1m34s do australiano. 
Aliás, a prova de Cadel Evans apenas não foi suficiente para bater Tony Martin, da HTC-Highroad, que percorreu os 42,5 km da etapa em 55m33s. Evans demorou mais sete. Alberto Contador, que termina em quinto lugar da geral, fez o terceiro melhor tempo no contra-relógio. Quanto a Frank Schleck, caiu para o terceiro lugar, mas segurou um lugar no pódio. Será, de resto, a primeira vez que dois irmãos subirão ao pódio da Volta a França, este domingo, nos Campos Elísios, em Paris. Apesar disso, a festa será de Cadel Evans.

in www.maisfutebol.iol.pt

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Depeche Mode - Policy Of Truth

You had something to hide
Should have hidden it, shouldn't you?
Now you're not satisfied
With what you're being put through

It's just time to pay the price
For not listening to advice
And deciding in your youth
On the policy of truth

Things could be so different now
It used to be so civilized
You will always wonder how
It could have been if you'd only lied

It's too late to change events
It's time to face the consequence
For delivering the proof
In the policy of truth

Never again
Is what you swore
The time before

Never again
Is what you swore
The time before

Now you're standing there tongue tied
You better learn your lesson well
Hide what you have to hide
And tell what you have to tell

You'll see your problems multiplied
If you continually decide
To faithfully pursue
The policy of truth

Never again
Is what you swore
The time before

Never again
Is what you swore
The time before

Never again
Is what you swore
The time before

Never again
Is what you swore
The time before

Never again
Is what you swore
The time before

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Filme da Semana: Padre - Priest


“Priest” é um novo filme de ficção científica pós-apocalíptico. O filme volta a juntar a dupla de “Legion”: Paul Bettany (actor) e Scott Stewart (realizador). O filme tem lugar num futuro muito distante (100 anos), após a guerra entre Cristãos e Satânicos e conta a história de um padre guerreiro cristão que desobedece às ordens da igreja para, juntamente com um jovem xerife e uma sacerdotisa, localizar e eliminar um grupo de vampiros liderado por um ex-cristão e agora padre satânico, Black Hat, que raptou a sua sobrinha.


Sinopse:
“Padre” é um thriller de ficção científica pós-apocalíptico, que se passa num mundo alternativo — um mundo devastado por uma guerra centenária entre homens e vampiros.
A história gira em torno do lendário guerreiro Padre (Paul Bettany) que desde a última guerra vive na obscuridade junto com outros humanos oprimidos em cidades cercadas por paredes e governada pela igreja.
Quando a sua sobrinha (Lily Collins) é raptada por um bando de vampiros assassinos, Padre quebra os seus votos sagrados para iniciar uma busca obsessiva para encontrá-la antes que eles a transformem num deles.
Juntam-se a ele nesta cruzada o namorado da sua sobrinha (Cam Gigandet), um jovem xerife e uma antiga guerreira (Maggie Q) que possui habilidades de luta de outro mundo.

UB40 - Kingston Town


The night seems to fade,
But the moonlight lingers on
There are wonders for everyone...woo ho
The stars shine so bright,
But they're fading after dawn
There is magic in Kingston Town

Oh Kingston Town,
The place I long to be
If I had the whole world
I would give it away
Just to see the girls at play

when I am king,
Surely I would need a queen
And a palace and everything, yeah yeah
And now I am king,
And my queen will come at dawn
She'll be waiting in Kingston Town

Oh Kingston Town,
The place I long to be
If I had the whole world
I would give it away
Just to see the girls at play, yeahhhh

when I am king,
Surely I would need a queen
And a palace and everything, yeah yeah
And now I am king,
And my queen will come at dawn

She'll be waiting in Kingston Town
She'll be waiting in Kingston Town,by now
She'll be waiting in Kingston Town,oh ya
She'll be waiting in Kingston Town,oh ya

Horas Vivas

Noite: abrem-se as flores... 
          Que esplendores! 
Cíntia sonha amores 
          Pelo céu. 
Tênues as neblinas 
          Às campinas 
Descem das colinas, 
          Como um véu. 

Mãos em mãos travadas, 
          Animadas, 
Vão aquelas fadas 
          Pelo ar; 
Soltos os cabelos, 
          Em novelos, 
Puros, louros, belos, 
          A voar. 

— “Homem, nos teus dias 
          Que agonias, 
Sonhos, utopias, 
          Ambições; 
Vivas e fagueiras, 
          As primeiras, 
Como as derradeiras 
          Ilusões! 

— Quantas, quantas vidas 
          Vão perdidas, 
Pombas mal feridas 
          Pelo mal! 

Anos após anos, 
          Tão insanos, 
Vêm os desenganos 
          Afinal. 

— “Dorme: se os pesares 
          Repousares, 
Vês? – por estes ares 
          Vamos rir; 
Mortas, não; festivas, 
          E lascivas, 
Somos – horas vivas 
          De dormir!” – 


Machado de Assis in "Crisálidas"

segunda-feira, 18 de julho de 2011

O Esplendor


E o esplendor dos mapas, caminho abstracto para a imaginação concreta,
Letras e riscos irregulares abrindo para a maravilha. 

O que de sonho jaz nas encadernações vetustas, 
Nas assinaturas complicadas (ou tão simples e esguias) dos velhos livros.

(Tinta remota e desbotada aqui presente para além da morte, 
O que de negado à nossa vida quotidiana vem nas ilustrações, 
O que certas gravuras de anúncios sem querer anunciam. 

Tudo quanto sugere, ou exprime o que não exprime, 
Tudo o que diz o que não diz, 
E a alma sonha, diferente e distraída. 

Ó enigma visível do tempo, o nada vivo em que estamos!

Álvaro de Campos in "Poemas"

domingo, 17 de julho de 2011

Jogo da Semana: Enslaved Odyssey to the West




Ainda antes de Enslaved Odyssey to the West ter chegado à redacção em versão de antevisão, por alguma razão, a mistura entre os gráficos, estilo de jogabilidade e tema de Enslaved Journey to the West, fez com que ficasse atento ao desenrolar do desenvolvimento do jogo. Depois de duas antevisões feitas e algum tempo a explorar a versão de antevisão, chegou finalmente a hora de jogar Enslaved Odyssey to the West na sua versão final e poder saber finalmente qual a sua real qualidade.
Enslaved Odyssey to the West coloca duas personagens totalmente distintas, juntas numa demanda épica numa América devastada por uma guerra travada entre Mechs (robôs) e os humanos, onde os Mechs acabaram por levar a melhor. Aprisionados pela organização Pyramid, tanto Monkey como Trip acabam por conseguir escapar de uma nave transportadora de escravos e despenhar-se em Nova Iorque. Sendo uma perita em tecnologia e engenhocas, Trip aproveita o estado de inconsciência de Monkey para lhe colocar uma Slave Headband (Tiara de escravidão) e assim, obriga-lo a ajuda-la a voltar à sua aldeia natal.


Claro que isto não agrada Monkey de forma alguma, mas vê-se obrigado a fazê-lo, pois se Trip morrer, Monkey morre também e Trip nunca iria conseguir sobreviver sozinha. Isto faz com que Enslaved Odyssey to the West arranque com um nível de desconfiança elevado entre as duas personagens, mas à medida que a história avança, cada uma das virtudes de ambas as personagens vai acabar por criar um elo de confiança e amizade incrivelmente fortes, aos quais qualquer jogador não vai conseguir ficar indiferente. A história foi escrita por Alex Garland (A Praia e 28 dias depois) e apresenta-se bastante forte e sólida, oferecendo momentos dramáticos bastante bons, que balançam facilmente entre a esperança e felicidade, até a derrota ou desespero. É possível dizer que a química entre as personagens de Enslaved Journey to the West soa a algo quase credível, o que faz com que queiram avançar mais um capítulo e descobrir qual o destino das personagens.


A isto tudo ajuda que as expressões faciais e movimentos corporais tenham sido feitos por actores reais, entre os quais Andy Serkis, que deu a voz e corpo a Gollum no Senhor dos Anéis, mas já vamos abordar este elemento mais à frente. Como jogo, Enslaved Journey to the West encaixa entre as plataformas e acção, onde os dois géneros se misturam de forma harmoniosa, acessível e bem estruturada. As secções de plataformas podem fazer lembrar a espaços, Uncharted 2 Among Thieves, já quando passa para a acção, em vez de dar preferência às armas de longo alcance, Monkey prefere usar o bastão para atacar e um escudo de energia para defender. Existe também a possibilidade de usar o bastão para atirar projecteis explosivos ou até projecteis de EMP para paralisar os Mechs, algo útil quando estes têm escudos activados ou estão a disparar de uma zona inacessível. Quando em combate, Monkey consegue facilmente saltar entre inimigos, mesmo quando rodeado por vários Mechs, o que oferece alguma estratégia contra os diversos tipos de Mechs que vão aparecendo.


Enquanto alguns Mechs atacam directamente com força bruta, outros utilizam elementos para causar dano ou paralisar Monkey. É essencial definir a estratégia de ataque pois os Spammers vão acabar por perder mais tarde ou mais cedo, há que perceber quando se deve atacar e defender. Alguns Mechs permitem ainda utilizar funções especiais dos mesmos, como a sua onda de EMP contra outros, ou ainda sabotar um de forma a que este rebente perto dos restantes. Por vezes alguns Mechs vão começar a chamar por ajuda, por isso há que os eliminar o mais depressa possível, embora, seja possível recolher mais orbs que estes deixam após serem abatidos.


Durante a acção, vão encontrar vários Bosses que, ora são enfrentados em sequências cinemáticas pré-definidas, ou então em combate directo e aberto onde a missão é esvaziar a vida dos mesmos. Normalmente estes combates também requerem alguma estratégia e não vale a pena entrar a matar contra qualquer boss que aparece. Para uns é necessário paralisar antes de atacar, outros é necessário usar o cenário em nosso favor.


Mas cada vez que combatem o mesmo tipo de Mech, este torna-se mais frágil, pois Trip consegue descobrir as fraquezas de cada um após estes serem destruídos. Em termos de jogabilidade, outro elemento essencial de Enslaved Odyssey to the West, do qual é obrigatório falar, é da Cloud. Embora tenha esse nome, a Cloud não é propriamente uma nuvem, mas sim uma espécie de escudo planador com o qual Monkey consegue percorrer os cenários mais depressa e até andar por cima de água. A Cloud é uma adição bastante divertida e que varia ainda mais a jogabilidade, pena é a sua utilização estar limitada apenas a certas zonas.Quando derrotam inimigos ou exploram os cenários, vão encontrar frequentemente Orbs espalhadas. Em Enslaved Odyssey to the West, estas esferas luminosas servem como moeda de troca para que Trip consiga desbloquear novas habilidades para Monkey, como um escudo que resiste durante mais tempo, ou um aumento na barra de vida, assim como mais e melhores ataques.


Estas Orbs não são raras e apenas os mais distraídos é que não vão conseguir melhorar todos os atributos de Monkey numa só aventura. Voltando então à vertente visual de Enslaved Odyssey to the West, não há qualquer margem para dúvida que estamos perante um dos jogos mais apelativos a nível visual desta geração, além de um dos melhores em termos gráficos concretos. Enslaved Odyssey to the West mostra cenários arrebatadores, como a já mencionada Nova Iorque aglutinada pela natureza, além tantas outras localizações de cortar a respiração (a colina do moinho de vento é impressionante). É curioso ver como a Ninja Theory fugiu ao estigma dos mundos pós-apocalípticos cinzentos e desolados para um mundo colorido e extremamente rico, o que só favorece toda a experiência.


As personagens de Enslaved Odyssey to the West também merecem algum tempo de análise, pois tal como já foi dito, além de serem altamente credíveis na sua representação, são assustadoramente reais em termos de expressões. Sentimentos como medo, raiva, tristeza e felicidade são realmente sentidos através da face das personagens e os seus movimentos, recriados através de sessões de detecção de movimentos com actores reais, mostram que deu frutos, para criar personagens autênticas e extremamente detalhadas, parecendo por vezes pessoas reais. As vozes também estão a um bom nível, com Andy Serkis a arrancar em grande no papel de Monkey. 


A actriz que dá a voz a Trip começa algo em falso, mas acaba por apanhar o ritmo e cresce bastante durante a aventura. Mais tarde vão encontrar outras personagens (como Pigsy), que também oferecem vozes fortes e no sítio certo. A nível musical e sonoro, as músicas foram bem trabalhadas para oferecer um misto entre um grande filme de acção e aventura e uma espécie de mundo deixado ao abandono. É bom no geral, mas por vezes parece que se perde algo no meio da acção, baixando demasiado o volume.


No que toca aos sons, podem contar com os guinchos mecânicos dos vários Mechs e dos animais do mundo em redor. Porém, em certas alturas é notório que o som de determinados objectos falha, o que provoca, por exemplo, explosões silenciosas nas cinemáticas. Enslaved Odyssey to the West é essencialmente uma experiência dedicada ao singleplayer, por isso, não contem com mais conteúdo após o término da aventura. O Jogo dura cerca de 10 horas a acabar, embora não seja de todo impossível que queiram repetir a experiência de forma a perceber melhor alguns pormenores e apanhar as máscaras de memória que ficaram pelo caminho. Ao contrário do que acontece na maioria dos jogos recentes, Enslaved Odyssey to the West não tem qualquer tipo de Online, o que é uma pena e acaba por afectar um pouco a longevidade.


No meio de tantos pontos altos, Enslaved Odyssey to the West tinha de ter alguns baixos, e além do problema do som, deparei com alguns problemas de detecção de colisão das personagens em relação ao cenário que causavam alguns bugs estranhos enquanto a personagem não fica fixa num só sítio. Existem alguns problemas de frame rate em zonas mais populadas de inimigos e por vezes surgiu um ecrã de loading em tempo real numa mudança de zona. De resto, não há muito mais a assinalar que seja relevante ou estrague de todo a experiência.


Durante o meu tempo com Enslaved Odyssey to the West, lembrei-me por diversas vezes de ICO, não por ser exactamente o jogo de andar a escoltar a princesa e ter de a proteger do perigo, mas sim pela ambiência algo sobrenatural do e da empatia que as personagens principais vão ganhando uma pela outra. Basicamente, Enslaved Odyssey to the West faz lembrar a espaços as mega produções americanas, pois isto seria certamente um ICO à moda de Hollywood. Eis que Enslaved Odyssey to the West chegou finalmente e ao contrário de grande parte dos jogos que criam grandes expectativas acaba por não desapontar. É uma experiência altamente recomendada e uma referência em vários departamentos, especialmente na adaptação de uma história forte e da criação de personagens, até certo ponto, quase humanas. 
Daniel Silvestre in MyGames

sábado, 16 de julho de 2011

Héroes del Silencio - El Estanque


las leyes salvajes 
empañan mi huida,
el estanque no para de crecer.
tanto sube el nivel,
el mar
se derrama ahogándome,
tanto sube el nivel,
el mar
se derrama ahogándome,
ahogándome.
sólo hay arena.

sólo en este momento,
el malentendido,
el estanque, el estanque,
tanto sube el nivel,
el mar
se derrama ahogándome,
ahogándome.
sólo hay arena.

Tour de France - Etapa 13 (Pau - Lourdes 156km)

Pau - Lourdes 156km


Depois de uma queda em uma das subidas, o campeão mundial de ciclismo, Thor Hushovd, venceu a décima terceira etapa do Tour de France 2011, depois de pedalar os 156km em 3:47:36 entre Pau - Lourdes.
Uma vitória de "super-herói" onde o norueguês "andou muito!!!" Sendo esta a melhor definição para sua vitória, pois após sofrer uma queda - ocasionada pelo francês Jérémy Roy - quando faltavam poucos quilómetros para o final, superou o atraso e foi buscar a vitória na raça - digna do "Poderoso Thor".


No final da etapa gloriosa, comentou que ainda sonha com o título e vai precisar mais do que nunca da sua equipa, a qual vem a realizar um belo trabalho para mantê-lo entre os líderes da competição. Thor tem consciência que será muito difícil, mas ele e sua equipa estão dispostos a reverter a vantagem dos tempos.
Aos 33 anos, Thor Hushovd vence a sua nona etapa do Tour de France, sendo o primeiro campeão do mundo a ter mais vitórias na competição, superando o espanhol Oscar Freire, detentor desta marca desde 2002.


Resultados da 13ª Etapa

1 Thor Hushovd (Nor) Team Garmin-Cervelo 3:47:36 
2 David Moncoutie (Fra) Cofidis, Le Credit En Ligne 0:00:10 
3 Jérémy Roy (Fra) FDJ 0:00:26 
4 Lars Ytting Bak (Den) HTC-Highroad 0:05:00 
5 Jérôme Pineau (Fra) Quickstep Cycling Team 0:05:02 
6 Edvald Boasson Hagen (Nor) Sky Procycling 0:05:03 
7 Vladimir Gusev (Rus) Katusha Team 0:05:16 
8 Alessandro Petacchi (Ita) Lampre - ISD 
9 Maarten Tjallingii (Ned) Rabobank Cycling Team 0:06:48 
10 Philippe Gilbert (Bel) Omega Pharma-Lotto 0:06:48
(...)
84 Sérgio Paulinho (Por) RadioShack 0:07:52 m
105 Rui Costa (Por) Movistar 0:13:04 m 

Classificação geral


1 Thomas Voeckler (Fra) Team Europcar 55:49:57
2 Fränk Schleck (Lux) Leopard Trek 0:01:49
3 Cadel Evans (Aus) BMC Racing Team 0:02:06
4 Andy Schleck (Lux) Leopard Trek 0:02:17
5 Ivan Basso (Ita) Liquigas-Cannondale 0:03:16
6 Damiano Cunego (Ita) Lampre - ISD 0:03:22
7 Alberto Contador Velasco (Spa) Saxo Bank Sungard 0:04:00
8 Samuel Sanchez Gonzalez (Spa) Euskaltel-Euskadi 0:04:11
9 Philippe Gilbert (Bel) Omega Pharma-Lotto 0:04:35
10 Thomas Danielson (USA) Team Garmin-Cervelo 
0:04:35
(...)
75 Sérgio Paulinho (Por) 
RadioShack 0:53:41 m
86 Rui Costa (Por) Movistar 1:02.32 h

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Filme da Semana: Hanna



“Hanna” é um thriller que conta ainda no elenco com Saoirse Ronan, Cate Blanchett e Eric Bana. O filme segue uma jovem adolescente que foi treinada pelo seu pai para se tornar numa assassina perfeita. O filme tem data de estreia prevista nos cinemas americanos para o dia 8 de Abril. O filme é realizado por Joe Wright e baseia-se na história original de Seth Lochhead, que assina o argumento em parceria com o inglês David Farr.


in BestCine

Promessa

"Cumpre em relação aos outros aquilo que só a ti próprio prometeste."
René Char

Sting - Russians


In Europe and America, there's a growing feeling of hysteria
Conditioned to respond to all the threats
In the rhetorical speeches of the Soviets
Mr. Krushchev said we will bury you
I don't subscribe to this point of view
It would be such an ignorant thing to do
If the Russians love their children too

How can I save my little boy from Oppenheimer's deadly toy
There is no monopoly in common sense
On either side of the political fence
We share the same biology
Regardless of ideology
Believe me when I say to you
I hope the Russians love their children too

There is no historical precedent
To put the words in the mouth of the President
There's no such thing as a winnable war
It's a lie we don't believe anymore
Mr. Reagan says we will protect you
I don't subscribe to this point of view
Believe me when I say to you
I hope the Russians love their children too

We share the same biology
Regardless of ideology
What might save us, me, and you
Is if the Russians love their children too 

domingo, 10 de julho de 2011

U2 - I Still Haven't Found What I'm Looking For

Jogo da Semana: Assassin's Creed Revelations

Tal como já tinha sido revelado, em Revelations Ezio vai regressar como protagonista só que ele agora já terá mais de 50 anos.
Ezio está à procura de selos que guardam as memórias do seu ancestral Altair - herói do primeiro Assassin's Creed. Estes selos vão permitir a Ezio entrar na consciência de Altair, tal como Desmond usava o Animus para entrar na sua. Altair vai ser um personagem jogável durante estas sequências.
A cidade anfitriã será Constantinopla que vai estar dividida em quatro distritos principais - Constantino, Beyazid, Imperial e Galata - enquanto que os jogadores vão também poder visitar a região central da Turquia denominada de Cappadocia.
Entre as novidades na jogabilidade encontra-se um item chamado de "hookblade" onde o jogador poderá fazer slide para atravessar a cidade ou agarrar os inimigos e desferir combinações de ataques. O slide irá acelerar em 30% a velocidade de navegação.
Para além da "hookblade", Ezio vai ter ao seu dispor 300 tipos de bombas, que poderão ser criadas por ele.
A Eagle Vision foi melhorada e agora chama-se Eagle Sense.
Alex Amancio da Ubisoft explicou que, "A Eagle Sense vai permitir que te foques num personagem e vejas onde ele já esteve. Vais ter uma aproximação e saber onde é que ele vai. Se fores capaz de detectar o caminho que um guarda vai tomar, vais poder antecipar-te, colocar uma bomba, e criar uma armadilha ou uma cilada."

O conceito das Borgia Towers de Brotherhood também foi expandido, agora chamar-se-á Assassin's Dens, ou seja, os esconderijos dos assassinos. Vai ser preciso o jogador completar vários cenários de assalto para aniquilar alguns dos Templários residentes. Uma vez tomado um esconderijo o jogador vai poder modernizar os edifícios em redor e adicionar slides nos telhados adjacentes.
O jogador poderá perder o controlo dos seus esconderijos à medida que comece a ganhar notoriedade mas vai poder enviar tropas para defendê-los se o jogador não puder voltar ao esconderijo que está a ser atacado, ou então poderá colocar um assassino mestre para garantir que aquele esconderijo nunca será ocupado pelo inimigo.
As tradicionais missões secundárias foram descartadas em prol de "eventos aleatórios" para tornar o jogo mais absorvente. Por exemplo, o jogador vai poder encontrar o dono de uma loja que foi roubado enquanto andava pela cidade ou encontrar uma criança a pedir ajuda.
Desmond vai voltar também. Desta vez ele encontrou uma forma segura no Animus chamado de "Black Room", onde poderá aceder a memórias perdidas.
A mecânica de subida de nível foi aumentada de 10 para 15, e os modos multiplayer estão de volta, no entanto desta vez haverá um maior enfoque na narrativa.
Assassin's Creed: Revelations vai marcar presença no PC, PlayStation 3 e Xbox 360, e tem lançamento marcado para Novembro.
Luís Alves em EuroGamer

WHO AM I ???

A minha foto
Wait until the war is over And we're both a little older The unknown soldier