domingo, 23 de dezembro de 2007

sábado, 22 de dezembro de 2007

ONG BAK

HEROES DEL SILENCIO- IBERIA SUMERGIDA

IN GOD´S COUNTRY


Desert sky

Dream beneath a desert sky

The rivers run but soon run dry

We need new dreams tonight


*


Desert rose

Dreamed I saw a desert rose

Dress torn in ribbons and in bows

Like a siren she calls to me


*


Sleep comes like a drug

In God's Country

Sad eyes, crooked crosses

In God's Country


*


Set me alight

We'll punch a hole right through the night

Everyday the dreamers die

See what's on the other side


*


She is liberty

And she comes to rescue me

Hope, faith, her vanity

The greatest gift is gold


*


Sleep comes like a drug

In God's Country

Sad eyes, crooked crosses

In God's Country


*


Naked flame

She stands with a naked flame

I stand with the sons of Cain

Burned by the fire of love

Burned by the fire of love


*
In God´s Country - U2

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

domingo, 9 de dezembro de 2007

IOGA

VISHNU
*


Ioga é uma prática ancestral de origem indiana que visa objectivos diversos, tais como autoconhecimento, o equilíbrio entre corpo e mente, a saúde física e espiritual e a comunhão entre o indivíduo e o todo.
Há dezenas de linhas diferentes de Ioga no mundo, que propõem não necessariamente caminhos contraditórios, mas sim, diversos caminhos para alcançar os mesmos objectivos.
Porém, existem em vários países contrariedades e negações entre duas vertentes. Essa mesma polémica abrange desde a própria escrita da palavra Ioga (“Ioga” é a forma “aportuguesada” habitual colocada no dicionário, as outras escritas propostas são “Yoga” e “Yôga”) bem como as suas definições, os seus objectivos, as suas metodologias e práticas.
Uma das vertentes é a do SwáSthya Yôga, usa-se nesta escola a grafia “Yôga” e adopta-se a definição: "Yôga é qualquer metodologia estritamente prática que conduza ao samádhi”.
A outra vertente abrange a maioria das demais linhagens, tais como Hatha Yoga, Ashtanga Vinyasa Yoga, Iyengar Yoga e etc., na grande maioria derivadas do Ioga de Pátanjali (Pátanjala Yoga). Nelas escreve-se “Yoga” e a definição mais utilizada é a encontrada nos Yoga Sutras de Pátanjali que pode ser traduzida do sânscrito por “Yoga é a cessação da agitação mental” ou diversas outras variações.

Ashtanga: os oito pilares do Yoga Clássico

Referidos como etapas, são passos que se sobrepõem à medida que se avança no caminho. O discípulo somente passa a etapa seguinte quando já dominou o precedente. São:
*

1 - Yama ou cinco prescrições morais;
1.1 -Ahimsa ou não-violência;
1.2 -Satya ou não mentir;
1.3 -Asteya ou não-roubar;
1.4 -Brahmacharya ou não dissipar a sexualidade;
1.5 -Aparigraha ou não cobiçar;
*

2 - Niyama ou cinco prescrições éticas;
2.1 -Saucha ou limpeza;
§ Higiene corporal externa, e interna pelos "Asanas" e "Pranayamas";
§ Da mente, do intelecto, da alimentação;
§ Do lugar em que se pratica ioga;
2.2 -Santosha ou contentamento;
2.3 -Tapas ou auto-superação;
§ Esforço do corpo, da fala e da mente;
2.4 -Svadhyaya ou auto-estudo;
2.5 -Ishvara pranidhama ou auto-entrega;
*

3 - Asana ou posições psicofísicas;
*

4 - Pranayama ou expansão (ayama) da força vital (prana) através de exercícios respiratórios;
*

5 - Pratyahara ou abstração dos sentidos externos;
*

6 - Dharana ou concentração mental;
*

7 - Dhyana ou meditação;
*

8 - Samadhi ou estado de hiperconsciência, absorção.

sábado, 8 de dezembro de 2007

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

terça-feira, 27 de novembro de 2007

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Ena Pá 2000 - Um Gajo Muita Fixe (JUST FOR YOU, BIG BROTHER !!!)

PARABÉNS BIG BROTHER !!!


Espírito Zen


*


“O homem perfeito usa a sua mente como um espelho. Ela nada aprisiona e nada recusa. Recebe mas não conserva.”


*


Soshi

terça-feira, 20 de novembro de 2007

SHIVA


Shiva é um deus ("Deva" (são espíritos intimamente ligados e integrados na natureza, trabalhando nela sem questionar)) Hindu, o Destruidor (ou o Transformador), participante da Trimurti juntamente com Brahma, o Criador, e Vishnu, o Preservador.
Uma das duas principais linhas gerais do Hinduísmo é chamada de Shivaísmo em referência a Shiva.
As cobras que Shiva usa como colares e braceletes simbolizam o seu triunfo sobre a morte, a sua imortalidade.
O fio de água que se vê correr dos seus cabelos é a representação do rio Ganges. Conta-se a lenda que o Ganges era um rio muito revolto que corria onde os deuses habitavam e os homens pediram aos deuses que o rio corresse também na terra, porém, o impacto da queda da água seria muito violento e para resolver o problema, Shiva permitiu que o rio escorresse suavemente para a terra através dos seus longos cabelos.
Sendo o asceta eremita da Trimurti, Shiva é considerado o criador do Ioga, o qual teria ensinado pela primeira vez a sua esposa Parvati.

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

SABEDORIA



"Melhor é a sabedoria do que a prática constante; melhor que a sabedoria é a meditação, e melhor que a meditação é a renúncia ao fruto das acções. Após a renúncia vem a paz."


*

"Bhagavad-Gita" - Textos Hindus

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Peter Murphy - Cuts You Up

Peter Murphy

Peter Murphy, eterno líder dos Bauhaus em Portugal já no próximo dia 30 de Novembro para um concerto, no Pavilhão Municipal de Vila Nova de Gaia.

Peter Murphy, é sem a menor dúvida um dos grandes senhores da música independente, quando se fala nele é impossível separá-lo do percurso trilhado com os míticos Bauhaus, ainda uma das maiores referências no meio alternativo. Mas Peter Murphy continua, e talvez mais do que nunca, com um vozeirão enorme.

Um concerto único, a não perder!




Geral - 10.00€

terça-feira, 13 de novembro de 2007

NINJA


Ninja (忍者) ou Shinobi foi uma organização secreta marcial que habitava as províncias de Iga e Koga, no Japão. Conhecidos pelas suas habilidades de infiltração, no Japão feudal do século XIV, forneciam os seus serviços em troca de pagamento, sendo que as suas acções envolviam a espionagem, o assassinato, a sabotagem, dentre outros. Mantinham-se isolados e viviam uma espécie de contracultura da época, pois os locais onde habitavam eram de difícil acesso, tornando-se muitas vezes o reduto de chineses e coreanos refugiados de guerras, bem como de antigos clãs de samurais que haviam perdido as suas guerras feudais. Ao contrário da crença popular os ninjas eram mais especializados em infiltração (armadilhas, armas ocultas, espionagem) do que em combate em campo aberto.
A filosofia de vida dos ninjas era chamada de Ninpo (Ninjutsu), tendo como principais fundamentos a adaptação, a liberdade e a perseverança férrea.
As espadas ninja, conhecidas por Ninja To, eram devidamente adaptadas a suas técnicas, ao contrário do que sucedia com a espada samurai, a Ninja To possuía uma lâmina recta e menor do que uma Katana (espada samurai), permitindo um uso mais junto ao corpo (utilizando-se energicamente apoiada na força motriz gerada por todo tronco, ao contrário da utilização apenas dos braços, como faziam os samurais), permitindo uma maior ocultação e transporte.
Porém para os ninjas não era apenas comum a utilização deste tipo de espada. Além das espadas, os ninjas utilizavam também vários outros equipamentos e armas, os quais eram importantes recursos em suas missões. A Kawanaga, ou gancho de “abordagem”, era muito utilizada para ultrapassar muros e similares e as bombas de fumo (utilizadas por algumas escolas) para facilitar as fugas. As Shakens (ou Shurikens), conhecidas como as "estrelas ninja", eram utilizadas amplamente sendo o Shinobi Shozoku, ou uniforme ninja, uma das maiores evoluções introduzidas na “arte da camuflagem” transformando o ninja e o ambiente envolvente num ser único, de modo a facilitar a sua "invisibilidade". O uniforme ninja não era contudo totalmente preto tal como muitas pessoas pensam, pois o preto destaca-se mesmo sendo noite, os tons mais comuns eram azul-marinho, o castanho-escuro, e outras tonalidades escuras e esbatidas, pois os ninjas costumavam agir a noite.
Os recursos dos ninjas não se ficavam apenas pelos equipamentos que utilizavam mas sim na arte de bem representar um qualquer papel de membro da sociedade usando disfarces de camponeses, pescadores, mercadores, etc., com o intuito de facilitar a sua actução como espião.
Existiam também mulheres ninja, denominadas Kunochi. Entre outras vantagens características delas, as mulheres ninja usavam a sedução (kisha) como arma, pois além de seu treino normal conjunto com seus companheiros do sexo masculino, recebiam treino especial na arte da sedução, na arte de elaboração e aplicação de venenos e usavam o Tesen (leque) com lâminas de metal, bem como as espadas. Actuavam combatendo ou seduzindo homens de alto poder político conseguindo com maior facilidade obter as informações secretas de que precisavam.
Os ninjas tinham como objectivo primário defender as suas terras e a sua família apartando-se dos interesses feudais latifundiários. No entanto, alguns clãs shinobi trabalhavam como mercenários e algumas alianças com senhores feudais ocorria, conforme os interesses políticos do momento.
A arte dos ninjas como foi referido é denominada Ninjutsu e possui várias ramificações e diferentes técnicas específicas para determinadas situações, tornando-se muito difícil de definir a que escola pertence determinada técnica. Actualmente, existem nove escolas tradicionais de Ninjutsu que se encontram reunidas ao redor duma organização mundial denominada Bujinkan (Templo do Deus Guerreiro) e a qual tem como Soke (Grande Mestre) Masaaki Hatsumi. Esta organização detêm uma tradição de mais de três mil anos, que segundo a tradição, foi iniciada pelo Soke Daisuke Shima (Togakure). Cada escola tem as suas peculiaridades e preferências por determinados estudos. Entre as inúmeras técnicas do Ninjutsu, estão: a arte da invisibilidade (na verdade, da camuflagem), da luta desarmada e armada (envolvendo o manejo de espada, bastão, lança, armas com correntes e outras mais exóticas), a pressão de pontos vitais (o que podia levar o adversário a dores insuportáveis ou até mesmo à morte), técnicas especiais de fuga, métodos de caminhar silenciosamente, escalada de vários obstáculos, luta dentro de água, o envenenamento, a hipnose, o treino de flexibilidade a nível das articulações (facilitando fugas quando se encontravam amarrados por cordas) e, finalmente, a arte dos disfarces, que envolvia também técnicas de dramatização, possibilitando ao ninja passar-se por outras pessoas.
Apesar da tradição de 3000 anos, as primeiras aparições ninja ocorreram, no Japão, a partir do séc. VI até a era Meiji, no séc. XIX, sendo que a utilização desses agentes como espiões foi aos poucos diminuindo e desaparecendo, novamente nas brumas da história, para renascer mais tarde durante a Guerra Russo-Nipónica em 1905 e no período que marca a Segunda Grande Guerra (1939-1945). Um registo importante é que, enquanto os samurais ainda procuravam entender a eficiência das armas de fogo levadas ao Japão pelos portugueses, os ninjas imediatamente incluíram essas armas no seu arsenal e passaram a utilizá-las nas suas operações, pois já haviam travado conhecimento com as mesmas pelo intermédio de piratas chineses e japoneses.
Facto é que os ninjas, com a restauração Meiji, foram integrados nas forças policiais e militares do Japão, situação esta que ocorre no presente dos nossos dias, mas, não só no Japão, mas no mundo, originando com isso que o Ninjutsu se transforma-se numa arte marcial espalhada pelo planeta
Porém e de certeza, o que mais fascina todos aqueles que se interessam pelo tema destes formidáveis guerreiros é o mistério milenar que os envolve.

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Queen of the Damned - Forsaken

O ILUMINADO


"Dominar-se a si próprio é uma vitória maior do que vencer milhares numa batalha."

*
SIDARTA GAUTAMA

SPANISH CARAVAN

ALHAMBRA - GRANADA

*


Carry me Caravan take me away

Take me to Portugal, take me to Spain

Andalusia with fields full of grain

I have to see you again and again

Take me, Spanish Caravan

Yes, I know you can


*


Trade winds find Galleons lost in the sea

I know where treasure is waiting for me

Silver and gold in the mountains of Spain

I have to see you again and again

Take me, Spanish Caravan

Yes, I know you can


*


Doors » Spanish Caravan

sábado, 10 de novembro de 2007

OM





O OM é a sílaba sagrada que representa o Universo em sua totalidade ... Não possui tradução literal e o seu significado é o ABSOLUTO ( Brahman ).

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

AICHA

AVENTURAS AO LONGO DE MARROCOS, NUMA "TELA DE MILHARES DE CORES", NUM SEM FIM DE AROMAS E COM BELA MÚSICA...

MARROCOS

Ait Benhaddou
*

Localizado no chamado Magrebe, o Reino de Marrocos é banhado pelo Oceano Atlântico a oeste, e pelo mar Mediterrâneo a norte, faz fronteira com a Argélia a leste e a sul e sudeste com a Mauritânia. Abrange uma área total de 446 550 km², sendo a sua capital, Rabat, com uma população de 1 618 700 habitantes (senso de 2004), destacando-se a nível populacional outras cidades, como Casablanca (a maior do país) com 3 741 200 habitantes, Tânger 629 800 habitantes e Fez 1 019 300 habitantes.
Marrocos caracteriza-se por ser um país montanhoso, onde se destacam duas cadeias montanhosas: o Rif, com a orientação noroeste-sudeste, que faz, geologicamente, parte das cordilheiras do Sul da Península Ibérica, e que tem como ponto mais alto o Monte Tidirhine com 2456 m; e o Atlas, no Centro do país, com a orientação leste-oeste, tendo como ponto mais alto o Monte Tubkal com 4165 m. A leste, situa-se a bacia do Muluya, uma região de terras baixas, semi-árida, criada pela erosão do Rio com o mesmo nome. Mais a leste e a sudeste, encontra-se a zona dos altos planaltos, com cerca de 1000 metros de altitude. A Sul, iniciam-se as terras áridas do Deserto do Sara.



Marrocos, tal como grande parte do Norte de África esteve sucessivamente sob o domínio dos Fenícios, do Império Romano e do Império Bizantino até à chegada dos árabes, os quais trouxeram o Islão e fundaram o Reino de Nekor, nas montanhas do Rif, no século VII.
Os indígenas berberes, no entanto, assumiram o controlo no século XI e governaram, não só Marrocos (agregando-lhe reinos vizinhos), mas também a parte sul da península ibérica, até ao fim do século XII.
Em 1415, Portugal virou os olhos para África e começa com a conquista de Ceuta e, no século seguinte, a maior parte do litoral marroquino estava nas mãos de portugueses e espanhóis. Ceuta continua sob soberania espanhola até hoje.
Dentre as inúmeras crises ocorridas pela Partilha da África, a principal ocorreu em Marrocos, importante entreposto comercial e rico em ferro e manganésio. De acordo com os tratados iniciais de formação da Entente Cordial, a Inglaterra cedeu à França o domínio de Marrocos em troca da hegemonia absoluta sobre o Egipto. Só que o kaiser alemão não aceitou o acordo por acreditar que o domínio de um só país sobre Marrocos prejudicaria seus próprios interesses expansionistas e enviou tropas ao local. Com apoio inglês à França, a guerra foi diplomaticamente evitada na conferência de Algeciras, em Espanha, em 1906, assegurando a soberania política do sultão marroquino e o domínio económico francês na região.
Quatro anos volvidos, eclodiu uma revolta nacionalista em Marrocos, amplamente apoiada pela Alemanha que, sob o pretexto de proteger a autonomia marroquina, enviou navios de guerra para Agadir. Novamente com o apoio inglês, a França cedeu parte do Congo Francês para os alemães se retraírem. Essa segunda crise em Marrocos acabou por consolidar a aliança entre França e Inglaterra e isolar ainda mais a Alemanha da diplomacia internacional.
A seguir à Segunda Guerra Mundial, de acordo com a “Carta do Atlântico” (assinada em 1941 Winston Churchill e Franklin Delano Roosevelt, em 1941), as forças vivas de Marrocos exigiram o regresso do sultão Mohammed V e em 1955, a França, que já se encontrava a braços com insurreição na Argélia, concordou com a independência da sua colónia, que foi celebrada dia 2 de Março de 1956.
A mudança do controle francês sobre Marrocos para as mãos do sultão e do Partido Independentista Istiqlãl decorreu calmamente.
Em Agosto de 1957, Sidi Muhammad transformou Marrocos num reino, passando a usar o título de rei. Quando, em 1959, o Istiqlãl se dividiu em dois grupos (um, abrangendo a maioria dos elementos do Istiqlãl, conservador e obediente a Muhammad 'Allãl al-Fãsi, apoiante de Sidi; outro, de carácter republicano e socialista, que adoptou o nome de (União Nacional das Forças Populares), Sidi Muhammad aproveitou a oportunidade para distanciar a figura do rei dos partidos, elevando-o a um papel arbitral.
Tal manobra política contribuiu decisivamente para o fortalecimento da monarquia, como se verificou no referendo de 1962, já com Mulay Hassan, filho de Sidi (falecido em 1961), como rei Hassan II, tendo sido aprovada uma Constituição de cariz monárquico.
Um ano após, foram realizadas eleições parlamentares que levaram a conjuntura política a um beco sem saída. Tal facto permitiu a concentração de poderes em Hassan II, como ficou demonstrado na Constituição de 1970, que não sobreviveu a uma tentativa de golpe de Estado, em 1971. Sucedeu-lhe uma outra Constituição em 1972, que só foi implementada efectivamente após outra tentativa de golpe de Estado em Agosto desse ano.
O ano de 1974 marcou o início de uma nova orientação da política de Hassan II, a partir do momento em que Marrocos declarou a sua pretensão sobre o Sara Espanhol, rico em minérios (sobretudo fosfato), pretensão essa que foi concretizada em Novembro de 1975, com o avanço da "Marcha verde", constituída por 350 000 voluntários desarmados, sobre o protectorado da Espanha, que evitou o conflito e conduziu à assinatura de um acordo em que eram satisfeitas as ambições de Marrocos.
No entanto, muitos têm sido os obstáculos à política marroquina: primeiro, a luta da guerrilha Polisário (Frente Popular para a Libertação de Saguia e do Rio do Ouro), apoiada, quer pela Argélia, quer, mais tarde, pela Líbia, e que recusou, inclusive, os resultados de um referendo promovido por Hassan II em 1981; segundo, a condenação por parte das ONU; e, terceiro, a criação do Sara Ocidental em 1989, que tem obtido o reconhecimento de um número crescente de países.
Em 1994, o secretário-geral das Nações Unidas, Boutros-Ghali, propôs um aprofundamento das negociações com o objectivo de promover um processo de recenseamento eleitoral o mais completo possível, de modo a um futuro referendo ter uma legitimidade aceitável por ambas as partes.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

sábado, 3 de novembro de 2007

ACÇÃO



"A acção perfeita é o fruto da meditação perfeita."


*



"Bhagavad-Gita"- Textos Hindus

ORDEM DOS TEMPLÁRIOS



Insígnia da Ordem: dois cavaleiros montados no mesmo cavalo, simbolizando o voto de pobreza.



*


A Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão, melhor conhecida como Ordem dos Templários é uma Ordem de Cavalaria criada em 1118, na cidade de Jerusalém, por nove cavaleiros de origem francesa, entre os quais Hugo de Payens e Geoffroy de Saint-Omer, visando a defesa dos interesses e protecção dos peregrinos cristãos na Terra Santa.
A tomada de Jerusalém através da primeira Cruzada deu origem ao surgimento de um novo reino cristão, e daí se destacaram nove cavaleiros que nela participaram pedindo autorização para permanecer na cidade e proteger os peregrinos que para lá se dirigiam.
O rei de Jerusalém, Balduíno II, permitiu então que os estábulos sobre as ruínas do Segundo Templo de Salomão, naquela cidade, lhes servissem de sede.
Estes cavaleiros fizeram voto de pobreza e o seu símbolo passou a ser o de um cavalo montado por dois cavaleiros. Em consequência do local de sua sede, do voto de pobreza e da fé em Cristo surgiu o nome da Ordem, Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão, ou simplesmente Cavaleiros Templários.
Sob a divisa Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam (Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Vosso nome dai a glória), tornou-se, nos séculos seguintes, numa instituição de enorme poder político, militar e económico.
Inicialmente, as suas funções limitavam-se à protecção dos peregrinos que se deslocavam aos locais sagrados, nos territórios cristãos conquistados na Terra Santa, durante o movimento das Cruzadas. Nas décadas seguintes, a Ordem teve vários benefícios principalmente de inúmeras doações de terras na Europa que lhe permitiram estabelecer uma rede de influências em todo o continente.
No que viria a constituir o futuro Reino de Portugal consta-se que os Templários entraram cá ainda no tempo de D. Teresa, a qual lhes doou a povoação minhota de Fonte de Arcada, em 1127. Um ano depois, a viúva do Conde D. Henrique entregou-lhes o Castelo de Soure sob compromisso de colaborarem na conquista de terras aos mouros. Em 1145 receberam o Castelo de Longroiva e dois anos decorridos ajudaram D. Afonso Henriques na conquista de Santarém e ficaram responsáveis pelo território entre o Mondego e o Tejo, a montante de Santarém.
A história dos Templários é envolta em misticismo e dá origem a várias lendas onde segundo uma versão, nos primeiros nove anos de existência os cavaleiros fundadores da Ordem dedicaram-se a escavações feitas nos alicerces da sua sede, até que encontraram documentos e riquezas que os tornaram poderosos. Supostamente, sob o Segundo Templo, local mais sagrado dos antigos Judeus, jaziam riquezas ocultas pelos sacerdotes antes da conquista e destruição de Jerusalém pelos Romanos no ano de 70.
Segundo outras versões da lenda, os cavaleiros teriam encontrado o Santo Graal, Cálice utilizado por Jesus Cristo na Última Ceia, e que teria sido utilizado para guardar o seu sangue aquando da sua crucificação.
Ambas as versões estão de acordo no que respeita ao que foi encontrado e levado “algo” pelos cavaleiros templários, sigilosamente para a Europa, onde a Ordem teria obtido do Papa Inocêncio II uma Bula pela qual estes obtinham poderes ilimitados, sendo declarados "isentos de jurisdição episcopal", constituindo-se, desse modo, em um poder autónomo, independente de qualquer interferência, política e religiosa, quer de reis quer de prelados.
A partir de então, a Ordem ter-se-ia expandido rapidamente, em número e em poder político, acumulando vastos domínios em mais de dez países, vindo a enriquecer ainda mais através da concessão de créditos a reis, nobres e prelados, cobrando juros sobre esses recursos, instituindo o embrião do moderno sistema bancário.
No século XIV, a Ordem teria alcançado tamanho poder que Filipe IV de França e o Papa Clemente V, colocaram em prática uma estratégia para esmagar a mesma e se apoderarem dos seus recursos.

O Papa enviou instruções secretas, lacradas, a serem abertas simultaneamente pelas suas forças, por toda a Europa, no dia 13 de Outubro de 1307. Nesse dia, ao serem abertas as instruções, os destinatários tomaram conhecimento da afirmação do Pontífice de que Deus lhe falara numa visão, alertando-o de que os Templários eram hereges, culpados de adoração ao demónio, homossexualidade, desrespeito à Santa Cruz, sodomia e outros comportamentos de blasfémia. Como Papa, recebera de Deus a ordem de purificar a Terra, reunindo todos os Templários e torturando-os até que confessassem as supostas heresias cometidas.
A operação foi um sucesso e inúmeros Templários foram presos, torturados e queimados em fogueiras como hereges, mantendo a soberania da Igreja Católica no cenário político da época.
O rei Filipe tentou tomar posse dos tesouros dos templários. No entanto, quando seus homens chegaram ao porto, a frota templária já havia partido misteriosamente com todos os tesouros, e jamais foi encontrada. Os possíveis destinos dessa frota seriam Portugal, onde os templários seriam protegidos, a Inglaterra, onde poderiam se refugiar por algum tempo, e a Escócia onde também poderiam se refugiar com bastante segurança.
Os Templários Portugueses a partir de 1160 ficaram sediados na cidade de Tomar, onde continuou a situar-se a sua ordem sucessora, a Ordem de Cristo.
Devido a perseguição movida aos Templários por toda a Europa e de forma exasperada em França, Portugal recusou-se a obedecer à ordem de prisão dos seus membros. Na verdade os portugueses tinham os Templários em alta conta, já que haviam ajudado nas guerras de Reconquista expulsando os mouros da Península Ibérica, e eram possuidores de grande cultura e vastos conhecimentos no que respeitava a tecnologia de locomoção terrestre e marítima, que se viria a mostrar preponderante para os desígnios de D. Dinis (1279-1325).
Assim, após a aniquilação dos Templários na maior parte da Europa, a Ordem continuou em Portugal, como Ordem de Cristo (da qual o Infante D. Henrique foi grão-mestre). Toda a hierarquia foi mantida e na cruz vermelha sobre o pano branco, símbolo templário, foi acrescida uma nova cruz branca em seu centro, simbolizando a pureza da ordem.
A Ordem de Cristo herdou todos os bens dos Templários portugueses e desempenhou um papel fulcral nos Descobrimentos. Por um lado, emprestaram recursos para a coroa portuguesa financiar o avanço marítimo, por outro, transmitiu à chamada Escola de Sagres todo o vasto conhecimento que já dispunham sobre navegação após anos singrando o Mar Mediterrâneo. Essa ligação íntima explica porque as Caravelas Portuguesas tinham suas velas pintadas com a Cruz Templária.
O último Grão-mestre Templário, Jacques de Molay, após dez anos na prisão, prestes a ser executado na fogueira em 1314, amaldiçoou seus perseguidores, convocando-os a prestar contas a Deus no prazo de um ano. A maldição dirigia-se especificamente ao rei Filipe IV, ao Papa Clemente V e a Guilherme de Nogaret, guarda do Selo Real. Os três personagens faleceram naquele prazo. Complementarmente, nenhum dos filhos de Filipe IV conseguiu manter-se no trono ou deixar descendentes, encerrando-se a Dinastia Capetiana e abrindo uma crise sucessória que mergulhou a França na Guerra dos Cem Anos.

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

sábado, 27 de outubro de 2007

PENEDA-GERÊS


O Parque Nacional da Peneda-Gerês, é o único Parque nacional de Portugal e situa-se no extremo nordeste do Minho, fazendo fronteira com a Galiza, abrangendo os distritos de Braga (concelho de Terras de Bouro), Viana do Castelo (concelhos de Melgaço, Arcos de Valdevez e Ponte da Barca) e Vila Real (concelho de Montalegre) numa área total de cerca de 72 000 hectares.
É uma das maiores atracções naturais de Portugal, pela rara e impressionante beleza paisagística e pelo valor ecológico e variedade de fauna (veados, cavalos selvagens, lobos, aves de rapina) e flora (pinheiros, teixos, castanheiros, carvalhos e várias plantas medicinais). Estende-se desde a serra do Gerês, a Sul, passando pela serra da Peneda até à fronteira espanhola.
Inclui trechos da estrada romana que ligava Braga a Astorga. No parque situam-se dois importantes centros de peregrinação, o santuário de Nossa Senhora da Peneda, réplica do Santuário do Bom Jesus de Braga, e o de São Bento da Porta Aberta, local de grande devoção popular.

A natureza e orientação do relevo, as variações de altitude e as influências atlântica, mediterrânica e continental traduzem-se na variedade e riqueza do coberto vegetal: matos, carvalhais e pinhais, bosques de bétula ou vidoeiro, abundante vegetação bordejando as linhas de água, campos de cultivo e pastagens. As matas do Ramiscal, de Albergaria, do Cabril, todo o vale superior do rio Homem e a própria Serra do Gerês são um tipo de paisagem que dificilmente encontra em Portugal algo de comparável.
Estas serranias já foram solar do Urso pardo e da Cabra montesa. O Lobo vagueia num dos seus raros territórios de abrigo. A Águia-real pontifica no vasto cortejo das aves. Micro-mamíferos vários, caso da Toupeira-de-água, diversidade de répteis e anfíbios e uma fauna ictiológica que inclui a Truta e o Salmão enriquecem o quadro zoológico.

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

KARATE-DO

Karate-do (空手道 - O caminho da mão vazia) ou simplesmente karate (forma de budo (武道 - caminho marcial) é uma arte marcial japonesa originária de Okinawa, tendo sido introduzida nas principais ilhas do arquipélago Japonês em 1922. O Karate enfatiza as técnicas de percussão atemi waza (i.e. defesas, socos e pontapés) não utilizando muitas das técnicas de projecções e imobilizações de outras artes marciais. O treino de Karate pode ser dividido em três partes principais: Kihon, Kata e Kumite.
Kihon (基本 - fundamentos) é o estudo dos movimentos básicos.

Kata (型 - forma, padrão) é uma espécie de luta contra um inimigo imaginário expressa em sequências fixas de movimentos.

Kumite (組手 - encontro de mãos) é a luta propriamente dita. Na sua forma mais básica é combinada (com movimentos pré-determinados) entre os lutadores para, posteriormente, alcançar o jyu kumite (combate livre ou sem regras). A forma desportiva, ou combate com regras, é conhecida como Shiai-kumite.

Originalmente a palavra karate era escrita com os ideogramas 唐手 (Tang e mão) referindo-se à dinastia chinesa Tang ou, por extensão, a mão chinesa, reflectindo a influência chinesa nesse estilo de luta. Sendo provavelmente uma mistura de uma arte de luta chinesa levada a Okinawa por mercadores e marinheiros da província de Fujian com uma arte própria de Okinawa.
Os nativos de Okinawa denominavam este estilo de Okinawa-te (mão de Okinawa). Os estilos de karate de Okinawa mais antigos são o Shuri-te, Naha-te e Tomari-te, assim chamados de acordo com os nomes das três cidades em que eles foram criados.
Em 1820 Sokon Matsumura fundiu os três estilos e deu o nome de shorin (pronuncia japonesa para a palavra chinesa "shaolin"), que é também a pronúncia dos ideogramas 少林 (pequeno e bosque). Entretanto os próprios estudantes de Matsumura criaram novos estilos adicionando ou subtraindo técnicas ao estilo original. Gichin Funakoshi, um estudante de um dos discípulos de Matsumura, chamado Anko Itosu, foi a pessoa que introduziu e popularizou o karate nas ilhas principais do arquipélago japonês.
O karatê de Funakoshi teve origem na versão de Itosu do estilo shorin-ryu de Matsumura que é comummente conhecido por shorei-ryu. Posteriormente o estilo de Funakoshi foi denominado por outros de shotokan porque o seu apelido era "shoto". O kanji kan (館) significa prédio/construção, daí Shotokan significar o Prédio de Shoto. Este estilo (Shotokan) foi popularizado no Japão e introduzido nas escolas secundárias antes da II Guerra Mundial. E, tal, como muitas das artes marciais praticadas no Japão, o karate fez a sua transição para o karate-do no início do século XX, onde o do em karate-do significa caminho. Como foi adoptado na moderna cultura japonesa, o karate está imbuído de certos elementos do budismo zen, sendo que a prática do karate é algumas vezes chamada de “zen em movimento”. As aulas frequentemente começam e terminam com curtos períodos de meditação e a repetição de movimentos, como os executados nas kata, é consistente com a meditação zen pretendendo maximizar o autocontrole, a atenção, a força e velocidade, mesmo em condições adversas. A influência do zen nesta arte marcial depende muito da interpretação de cada instrutor.
A modernização e sistematização do karate no Japão também incluíram a adopção do uniforme branco (Karategi) e de cintos coloridos indicadores do nível alcançado pelo aluno, ambos criados e popularizados por Jigoro Kano, fundador do Judo, pois as fotografias de antigos praticantes de karate de Okinawa mostram os mestres em roupas do dia-a-dia.No karate existe um número muito grande de estilos e escolas, sendo os mais conhecidos hoje em dia o: Shotokan, Goju-ryu, Wado-ryu (caminho da paz) e Shito-ryu. Todos eles criados na primeira metade do século XX.

terça-feira, 23 de outubro de 2007

WISH YOU WERE HERE


So, so you think you can tell


Heaven from Hell,blue skies from pain.


Can you tell a green field from a cold steel rail?


A smile from a veil?


Do you think you can tell?


And did they get you to trade your heroes for ghosts?


Hot ashes for trees?


Hot air for a cool breeze?


Cold comfort for change?


And did you exchange a walk on part in the war for a lead role in a cage?


How I wish, how I wish you were here.


We're just two lost souls swimming in a fish bowl, year after year,


Running over the same old ground.


What have you found?


The same old fears.


Wish you were here.


*




Pink Floyd - Wish You Were Here

domingo, 21 de outubro de 2007

sábado, 20 de outubro de 2007

AS ARTES MARCIAIS

Bodhidharma

*




A origem das Artes Marciais confunde-se com o desenvolvimento da civilização quando, logo após o desenvolvimento da agricultura e a da criação de pequenas aldeias levaram a que alguns dos membros desta sociedade começassem a acumular riqueza e poder. O que por sua vez originou o sentimento de cobiça, inveja, e no seu corolário, a agressão. Desta forma, a necessidade abriu espaço para a profissionalização da protecção pessoal.
Recentes descobertas arqueológicas mostram-nos guardas pessoais, na Mesopotâmia, praticando técnicas de defesa e de imobilização de agressores.
Porém, a versão mais conhecida das Artes Marciais, principalmente na vertente da história oriental, tem como origem principal, Bodhidharma, Monge Indiano que na sua viagem pela china orientou os monges chineses na prática do Yoga e rudimentos da arte marcial indiana, dando consequentemente bases características para a criação de um estilo próprio dos monges de Shaolin.
É, também, sabido historicamente, quer através da tradição oral, quer através de escavações arqueológicas que o Kung Fu já existia na China há mais de cinco mil anos, sendo o principal local de expansão destes conhecimentos marciais por quase toda a Ásia, donde se destacaram o Japão e a Coréia nas artes marciais mantendo esta tradição de forma milenar.
A origem do termo artes marciais é contudo ocidental e latino, sendo uma referência às artes de guerra e luta. A sua origem é vinculada ao deus da guerra greco-romano Marte. Assim, as artes marciais segundo a mitologia são as artes ensinadas pelo Deus Marte aos homens.
As artes militares ou marciais são todas as práticas utilizadas pelos exércitos no seu desenvolvimento, treino e habilidades para o uso em guerras não importando a origem ou povo que as criou.
Hoje o termo artes marciais é usado para todos os sistemas de combate de origem oriental e ocidental, com ou sem o uso de armas tradicionais.
No oriente existem outros termos mais adequados para a definição destas artes, como Wu Shu na China e o Bushido no Japão que também significam artes de guerra, ou "Caminho do Guerreiro".
Muitas destas artes de guerra do oriente e ocidente deram origem a artes actuais que hoje são praticados em todo o mundo como Karate, Kung Fu, TaeKwonDo, Esgrima, Tiro com Arco, etc, e que se diferenciam dos desportos de combate como o Boxe, Judo, Luta Greco-Romana, pois no desporto de competição as regras prevalecem, sendo o objectivo marcar mais pontos dentro de regras preestabelecidas, já as modalidades que tem uma origem mais marcial tem como objectivo a defesa pessoal numa situação de risco sem regras, e tendo na sua essência como pedra basilar a formação do carácter do ser humano.
No Japão estas artes são chamadas de Budo ou "Um caminho educacional através das lutas".

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

SACRED


Sacred

Holy

To put it in words

To write it down

That is walking on hollowed ground

But it's my duty

I'm a missionary


*


So here is my confession

It's an obsession

I'm a firm believer

And a warm receiver

And I've made my decision

This is religion

There's no doubt

I'm one of the devout

Trying to sell the story

Of love's eternal glory


*


Spreading the news around the world

Taking the word to boys and girls

I'm a firm believer

And a warm receiver

And I will go down on my knees

When I see beauty

There's no doubt

I'm one of the devout

Trying to sell the storyOf love's eternal glory


*


Sacred

Holy

To put it in words

To write it down

That is walking on hollowed ground

*



Depeche Mode - Sacred

BELEZA


"A beleza provoca o ladrão mais do que o ouro"


Shakespeare , William

domingo, 14 de outubro de 2007

SMOKE CITY - UNDERWATER LOVE

A LENDA DOS 47 RONINS



OISHI Kuranosuke


*

A história verídica dos 47 Ronin (literalmente homem-onda em japonês, significado que traduzia a ideia de um guerreiro errante como uma onda perdida no meio do oceano) é a forma pela qual um samurai, sem ligações com um clã ou um daimyo (senhor), era conhecido) da província de Harima é provavelmente a história mais conhecida do valor dos ideais e do Bushido ((武士道) significa, literalmente, "caminho do guerreiro" - era um código de conduta não-escrito e um modo de vida para os Samurai (a classe guerreira do Japão feudal ou bushi), o qual fornecia parâmetros para esse guerreiro viver e morrer com honra).
A lenda começa em 1701, numa altura em que reinava a paz durante o Shogunato de Tokugawa. O Shogun Tsunayoshi vivia e reinava em Edo, enquanto o Imperador, que tinha muito pouco poder político, vivia em Kyoto. Para mostrar respeito para com o Imperador, Tsunayoshi enviava presentes para Kyoto por altura das celebrações do Ano Novo, e em retorno o Imperador mandava os seus presentes de Kyoto para Edo. Numa destas trocas de presentes Tsunayoshi decidiu enviar dois dos seus novos daimyos ((大名) eram os senhores feudais mais poderosos no período compreendido entre os séculos XII e XIX da história do Japão. Literalmente, em japonês, o termo significa "grande nome") para receber os mensageiros imperiais. Naganori Asano-Takuminokami, Senhor do Castelo de Ako na província de Harima e Munehare Date, Senhor de Sendai. Pelo facto destes daimyos serem muito inexperientes em receber tão altos visitantes, o Shogun decidiu designar um alto oficial chamado Yoshinaka Kira-Kozukenosuke para os apoiar. Kira, que era um homem arrogante e de mau fundo, ficou bastante irritado com o Senhor Asano por este não o presentear com caros artigos em sinal de apreciação e respeito pela sua ajuda. Desta forma, Kira em vez de ajudar o Senhor Asano prejudicava-o sempre que podia e rebaixava-o publicamente sempre que tinha oportunidade. Depois de um par de meses nesta situação de abuso a tolerância de Asano terminou.
A 14 de Março incapaz de suportar mais os insultos de Kira, o Senhor Asano desembainhou (em si uma ofensa capital quando efectuada dentro do castelo de Edo) a sua Katana ((刀) é a espada ou sabre longo japonês) e feriu Kira ao de leve. Por esta ofensa, o Shogun Tsunayoshi ordenou ao Senhor Asano que cometesse imediatamente seppuku ((切腹) é o termo formal para o ritual suicida chamado popularmente de harakiri (腹切り). Harakiri significa literalmente "cortar a barriga" ou "cortar o estômago") e Kira, por outro lado, não recebeu qualquer punição. Pelo contrário foi-lhe permitido continuar com os seus deveres oficiais. O facto do Shogun não ter punido Kira e ter ordenado a execução de seppuku a Lord Asano irritou por demais os seguidores e amigos de Asano. De acordo com as leis reinantes quando um samurai cometia seppuku, o seu castelo era confiscado pelo Shogun, e a sua família era deserdada, originando que os seus 321 samurais fossem ordenados a separar-se e a dispersar, tornando-se assim Ronins. Os samurais de Asano não estavam muito conscientes de como actuar perante esta situação. Alguns pensavam que se deviam recusar a entregar o castelo ao Shogun, outros achavam que deviam planear uma acção de vingança e matar Kira, outros achavam que deviam respeitar a lei e render-se pacificamente. Oishi Kuranosuke, chefe conselheiro do Senhor Asano, depois de ouvir todas as opiniões transmitidas pelos samurais decidiu delinear um plano: Iria pedir ao Shogun o restabelecimento da "Casa de Asano" encabeçada pelo irmão mais novo do Senhor Asano, Daigaku. Caso esta petição falhasse os samurai de Lord Asano recusar-se-iam entregar o castelo e defendê-lo-iam até à morte. Nos dias que se seguiram, enquanto os agentes do Shogun se encaminhavam para Ako todos os samurai que se oponham à petição foram saindo do castelo, deixando apenas 60 samurais fiéis ao Senhor Asano. Mesmo antes que qualquer dos emissários do Shogun chegasse ao castelo, Daigaku Asano enviou uma mensagem a Oishi pedindo-lhe que obedecesse às ordens do Shogun e entregasse o castelo. Oishi e os restantes 59 samurai aceitaram o pedido de Daiguku, mas antes de entregarem o castelo decidiram arquitectar um plano de modo a restaurar a honra de seu mestre Senhor Asano matando Kira, cujo carácter pouco tinha a ver com os samurai e que tanta desonra trouxe à família do Senhor Asano. Apenas a sua morte reporia de novo a honra ao Senhor Asano e a sua família.
Deste modo separaram-se de forma a conceber e levar a cabo o seu plano. Naturalmente que Kira suspeitava que os samurai de Asano tentassem vingar-se dele. Para afastar qualquer tipo de suspeita Oishi retirou-se para Yamashima, subúrbio de Kyoto, onde foi ganhando a reputação de jogador e bêbedo, o que fez diminuir a guarda por parte do Shogun, bem como os espiões de Kira. O Shogun por sua vez e ainda com receio de que a questão da morte do Senhor Asano não tivesse sido resolvida ordenou a prisão de Daigaku Asano e sentenciou-o a permanecer confinado bem como a sua família a uma pequena província, acabando assim, com alguma esperança que pudesse haver quanto ao restabelecimento da "Casa de Asano".
Durante cerca de dois anos eles esperaram pacientemente, disfarçados de comerciantes, de vendedores de rua e até de bêbedos, procurando obter informações sobre Kira e estando atentos aos movimentos dos seus homens (de Kira) por forma a encontrar uma oportunidade para tomar de assalto a sua mansão. Até que finalmente Kira relaxou, diminuindo a sua desconfiança e a sua guarda a Oishi e seus companheiros. Numa reunião secreta Oishi e os outros 59 Ronin decidiram que o tempo deles era chegado e que eles deveriam devolver a honra a seu mestre. Oishi decidiu levar consigo apenas 46 dos 59 Ronin, enviando os outros 13 para junto das suas famílias. Um por um Oishi e os seus homens infiltraram-se em Edo, e a 14 de Dezembro de 1702 noite de Inverno com muita neve os 47 Ronin atacaram o castelo de Kira enquanto ele dava uma festa do chá. Os 47 Ronin divididos em dois grupos atacaram a mansão pela entrada principal e pelas traseiras. Nessa batalha os 47 Ronin lutaram contra 61 guardas armados matando ou capturando todos os guardas de Kira sem nenhuma perda ao fim de apenas hora e meia de batalha. Depois de uma busca minuciosa pelo castelo, Kira foi encontrado escondido na casa exterior a casa principal. Oishi trouxe Kira para o átrio principal e a frente dos outros 46 Ronin deu-lhe a mesma oportunidade que foi dada ao Senhor Asano: morrer honradamente cometendo seppuku. Kira não queria cometer seppuku pelo que o Ronin o decapitou. Depois, para simbolizar a conclusão da sua missão, os 47 Ronin regressaram ao local onde tinha sido sepultado o seu Senhor no templo Sengaku-Ji e colocaram lá a cabeça de Kira, declarando assim ter redimido a honra de Lord Asano. Preparados para morrer, Oishi enviou um mensageiro ao magistrado de Edo, informando o sucedido e informando que iriam ficar à espera no templo Sengaku-Ji, pelas ordens do Shogun. O Shogun Tsunayoshi , em vez de ficar profundamente encolerizado com o acontecimento, ficou muito impressionado com a enorme lealdade demonstrada pelos 47 Ronin.
Este facto tornou a decisão de Tsunayoshi ainda mais difícil: Deveria ele apenas separar os 47 Ronin como reconhecimento pela sua enorme demonstração de lealdade para com o Bushido ou deveria ele puni-los de acordo com a lei?
Depois de 47 dias de reflexão, Tsunayoshi ordenou que Oishi e 45 dos Ronin se matassem, não como meros criminosos mas como honrados guerreiros, sendo o mais novo dos Ronin que havia sido enviado a Ako com a notícia da morte de Kira poupado a esta sentença.
A 4 de Fevereiro de 1703 os 46 Ronin foram divididos em quatro grupos e entregues a 4 diferentes daimyo, que tinham por sua vez recebido instruções para supervisionar e testemunhar as suas mortes. Oishi e os outros 45 Ronin cometeram seppuku simultaneamente, dignificando-se e valorizando o seu valente sacrifício. No final, os 46 Ronin foram enterrados lado a lado com seu mestre no templo Sengaku-Ji. Hoje em dia, a memória dos 47 Ronin é celebrada numa peça chamada Chusingura que leva as audiências as lágrimas. Adicionalmente, cada ano vários milhares de Japoneses visita o local onde estão enterrados os corpos dos 46 Ronin no Templo Sengaku-Ji para prestar homenagem à honra e lealdade dos 47 Ronin e a sua dedicação ao código do Bushido.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

DESEJO


"Só há um princípio motor: a faculdade de desejar".


*


Aristóteles in "Tratado da Alma"

A BATALHA DAS TERMÓPILAS


Quando se fala de acções importantes no âmbito militar da dita História Antiga não se pode nunca esquecer a Batalha das Termópilas. Chega-nos o seu relato aos nossos dias através da descrição narrativa do célebre historiador grego Heródoto, retratando a ocasião em que os Persas pretendiam a anexação da Grécia ao seu vasto Império no ano de 418 a.C..
Consta, então, que uma força de cerca de 7000 a 9000 homens (destacavam-se os 300 espartanos (Guarda Pessoal do Rei Espartano) como "tropa de Elite") representavam a Liga Grega contrapondo-se aos 200000 homens Persas comandados pelo Rei dos Persas Xerxes, os quais tinham atravessado o Helesponto para conquistar a Grécia.
A explicação para tão reduzido contingente dos gregos resídia em que, por aquela altura os espartanos festejavam a Carnéia (Festival em honra ao deus Apolo), durante o qual não se podia lutar, enquanto boa parte dos restantes povos da Grécia vivia a Olimpíada (outra celebração que, por motivos religiosos, impedia o combate).
Deste dilema resultou que Leónidas não sabendo como conseguir guerreiros para lutar contra o invasor Persa, dadas as condições de não poder desrespeitar as confraternizações - que cessavam momentaneamente os combates - e por outro lado não se podendo dar ao luxo de esperar que o exército invasor avançasse incólume pelo território grego, resolveu ele próprio marchar de encontro às forças invasoras com nada mais nada menos do que a sua guarda pessoal de 300 homens. No caminho, foram-se então reunindo a Leónidas homens de povos e aldeias amigas num número que rondava os 7.000 a 9.000 para enfrentar os persas
Leónidas, Rei espartano, foi eleito como comandante supremo das forças Gregas, visto ser o mais experiente na"arte da guerra" e assim o provou elaborando um astuto e brilhante plano para a defesa da Península Grega, através da defesa de um estreito desfiladeiro que unia a Tessália à Beócia de forma a travar o avanço Persa, chamado de Termópilas (Portas de Fogo).
Desta forma aproveitando o terreno montanhoso e a escarpa para o mar, Leónidas e os seus aliados conseguiram repelir os ataques iniciais mantendo o estreito desfiladeiro como "zona tampão" impedindo os Persas de progredir rumo ao interior da Grécia. Durante sete dias as forças Gregas conseguiram então repelir o invasor porém não contaram com a traição dum pastor local (Efialtes) que conduziu os Persas por um caminho que contornava o desfiladeiro levando-os a cercar o exército de Leónidas.
Por esta altura em que os Gregos se encontravam cercados apenas restavam alguns dos 300 espartanos e alguns dos voluntários Tespianos e Tebanos, que decidiram resistir até a morte. Segundo Pausánias, Xerxes ameaçou a insignificante defesa grega dizendo: "As minhas flechas serão tão numerosas que ocultarão a luz do Sol", ao que Leónidas respondeu: "Tanto melhor, combateremos à sombra!" ( Heródoto, que narra o desastre das Termópilas no seu Livro VII, reporta esta afirmação, não a Leónidas, mas Dieneces, considerado o mais bravo de entre todos os Gregos incluíndo espartanos).
Leónidas também soube antecipadamente da traição de Efialtes, mantendo consigo os espartanos, os voluntários Tespianos e Tebanos, dispensando o restante contingente do exército. Durante três dias as forças de Leónidas mataram 20000 persas e para este seu pequeno contingente que ficou consigo, disse: "Almoçem comigo aqui, e jantem no inferno".
Leónidas sabia que sua morte era certa, mas resolveu ficar e morrer a lutar, por dois motivos: Em primeiro lugar e conforme sua própria filosofia, nenhum espartano deserta do campo de batalha para sua cidade, ou voltam vitoriosos ou mortos em cima de seus escudos. E em segundo lugar, caso ele desertasse, o restante da Liga Grega também fugiria.
No final, cercando os seus inimigos, o Rei dos Persas, Xerxes, ter-lhe-á dado á ordem para que Leónidas e seus homens deposessem as suas armas e se entregassem, ao que Leónidas terá respondido apenas: "Molon Labe"("Venham buscá-las"), tendo sido estas as suas últimas palavras.
Atacados por todos os lados, foram massacrados sem piedade, acabando Leónidas por ser decepado e a sua cabeça empalada enquanto o seu corpo foi crucificado.
Com este enorme feito os Gregos conseguiram atrasar os planos Persas de invasão, fazendo-os esperar, durante dois meses, que o inverno passasse, para poderem continuar a guerra.
Contudo a bravura, denodo e sacríficio dos seus compatriotas inspirou os Gregos e quando os Persas resolvem voltar a ofensiva, os espartanos que haviam permanecido na sua cidade formam agora o corpo principal do exército grego, (havendo ainda assim três persas para cada grego), derrotados em Salamina e Plateia os Persas vêem-se desmoralizados e expulsos da Grécia pondo um ponto final na tentativa de conquista da Grécia e do ocidente.

*

A quem se interesse por este tema aconselho sem reservas a ler o livro "Portas de Fogo" de Steven Pressfield da editora Ulisseia e a ver o filme 300 de Frank Miller (embora este retrate a história de uma forma muito "sui generis"). Mas que cada um tire as suas conclusões.

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

APOCALYPSE NOW (THE END - DOORS)

EXCELENTE !!!!!!!

WALKING IN MY SHOES


I would tell you about the things they put me through

The pain I've been subjected to

But the Lord himself would blush

The countless feasts laid at my feet

Forbidden fruits for me to eat

But I think your pulse would start to rush


*


Now I'm not looking for absolution

Forgiveness for the things I do

But before you come to any conclusions

Try walking in my shoes

Try walking in my shoes


*


You'll stumble in my footsteps

Keep the same appointments I kept

If you try walking in my shoes

If you try walking in my shoes


*


Morality would frown upon

Decency look down upon

The scapegoat fate's made of me

But I promise now, my judge and jurors

My intentions couldn't have been purer

My case is easy to see


*


I'm not looking for a clearer conscience

Peace of mind after what I've been through

And before we talk of any repentance

Try walking in my shoes

Try walking in my shoes


*


You'll stumble in my footsteps

Keep the same appointments I kept

If you try walking in my shoes

If you try walking in my shoes

Try walking in my shoes


*


Now I'm not looking for absolution

Forgiveness for the things I do

But before you come to any conclusions

Try walking in my shoes

Try walking in my shoes


*


You'll stumble in my footsteps

Keep the same appointments I kept

If you try walking in my shoes

You'll stumble in my footsteps

Keep the same appointments I kept

If you try walking in my shoes

Try walking in my shoes

If you try walking in my shoes

Try walking in my shoes


*


Depeche Mode

ENGANO



"São tão simples os homens e obedecem tanto às necessidades presentes, que quem engana encontrará sempre alguém que se deixa enganar"


*


Maquiavel in "O Príncipe"

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Saber el Roubay - Sidi Mansour

TUNÍSIA 2006 !!!!
VALE A PENA FAZER O "TOUR" AO PAÍS 5*`s !!!!

TUNÍSIA


A Tunísia ( تونس) é um país do norte de África, limitado a norte e a leste pelo Mar Mediterrâneo, através do qual faz fronteira com a Itália, ficando especialmente próxima da ilha de Pantalaria e das ilhas Pelágias, a leste e a sul pela Líbia e a oeste pela Argélia, a sua capital é Tunes.
O Clima da Tunísia encontra-se sujeito a influências mediterrânicas e saarianas. O Clima Mediterrâneo predomina no norte e caracteriza-se por invernos amenos e verões quentes e secos. As temperaturas variam em função da latitude, altitude ou proximidade em relação ao Mar Mediterrâneo. As temperaturas médias são de 12ºC em Dezembro e 30ºC em Julho.

*

O território onde está situada a Tunísia é palco de um legado histórico imenso. Inicialmente perto do ano 1000 a.c. a região foi colonizada pelos fenícios, povo de origem semita os quais fundam Cartago, que rapidamente se transformou num importante centro comercial do mar Mediterrâneo até a sua total destruição pelos romanos em 146 a. c.. Passando então a fazer parte do Império Romano. Por sua vez os árabes conquistaram esta mesma região no Século VII d. c. transformando a antiga Cartago na nova cidade de Tunes um pouco mais afastada da sua localização original e tornaram-na no mais importante centro religioso islâmico do norte da África. Em 1574, a Tunísia é incorporada no Império-Turco-Otomano e mantém a sua administração por governadores turcos (beis) até 1881, quando passa a protectorado da França. Durante a II Guerra Mundial, o país é ocupado pelos alemães e transforma-se em "ponto chave" no desenrolar dos combates na guerra do deserto entre os Afrika Corps (General Erwin Rommel) e os Desert Rats (General Allen Francis Harding) levando a vitória aliada. Com o fim do conflito floresce o movimento nacionalista tunisino.
Em 1956, a Fança concede independência à Tunísia e o então principal líder nacionalista Habib Bourguiba, é eleito presidente em 1959, transformando-se posteriormente em presidente vitalício. Em 1964 o seu partido torna-se o único legal. Em 1980 a invasão do sul do país pela Líbia é prontamente repelida, sendo esta uma década conturbada com greves e manifestações populares marcando a crescente insatisfação com o governo Bourguiba. Em 1987, o líder é considerado incapaz de governar, sendo substituído pelo primeiro-ministro Zine-al-Abidine Ben Ali, o qual revoga a presidência vitalícia e estabelece a liberdade partidária. Há uma retoma no crescimento económico, chegando a 4,8% em 1992, com o incremento do turismo e das relações com a União Europeia (UE). Ben Ali e seu partido vencem as eleições de 1994 contudo o seu governo é acusado de perseguições à oposição, levando a que no ano seguinte ganhassem as eleições em 47 Prefeituras. Segue-se um período conturbado onde o crescimento do fundamentalismo islâmico preocupa o governo, culminando com a condenação do presidente da Liga Tunisiana de Defesa dos Direitos Humanos a cinco anos de prisão, em Janeiro de 1998, provocando por sua vez protestos internacionais. Em Maio desse mesmo ano, o governo anuncia plano de privatização de 50 empresas estatais até o final de 1999.
Em novembro 2001, o presidente Ben Ali anunciou reformas democráticas, tais como: a criação de um segundo corpo legislativo para reforçar o poder legislativo e dando ao conselho Constitucional mais poderes para verificar a regularidade de eleições presidenciais e legislativas. Todas estas medidas faziam parte de uma reforma constitucional adoptada pelo Referendum de Maio 2002. A segunda câmara legislativa foi inaugurada em Agosto 2005. Hoje em dia a forma do Governo da Tunísia é mista. A Assembléia Nacional tem 182 membros eleitos por voto directo para mandato de 5 anos. A sua constituição está em vigor desde 1959.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

A STRANGE KIND OF LOVE



A strange kind of love

A strange kind of feeling

Swims through your eyes

And like the doors

To a wide vast dominion

They open to your prize


*


This is no terror ground

Or place for the rage

No broken hearts

White wash lies

Just a taste for the truth

Perfect taste choice and meaning

A look into your eyes


*


Blind to the gemstone alone

A smile from a frown circles round

Should he stay or should he go

Let him shout a rage so strong

A rage that knows no right or wrong

And take a little piece of you


*


There is no middle ground

Or that's how it seems

For us to walk or to take

Instead we tumble down

Either side left or right

To love or to hate


*


Peter Murphy - A Strange Kind of Love

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Héroes del Silencio-Nuestros nombres

Qué extraño aprieta el deseo,
hoy qué lejano aparece el acuerdo,
a kilómetros, es tan inalcanzable...,
... esa mirada me encantaba.,
aún abriendo en canal el sueño,
voy con los ojos siempre abiertos.,
por aguantar, brindo en silencio.,
y no sabemos ni nuestros nombres,
no ignoramos nuestros excesos,
pero tu sola presencia me enferma,
y me vacía.,
con un grito de esperanza,
te digo adiós.,
y cada día le pregunta a su noche,
qué es lo que haría en su mismo disfraz,
asentir sin haber comprendido,
que aquellas manos me asediaban,
díme: ¿querrías tu pintar,
una casa con alas?.,
amanecer, unos guiños confusos.,
dar la vuelta con miedo a mirar atrás,
y no sabemos ni nuestros nombres,
no ignoramos nuestros excesos,
pero tu sola presencia me enferma,
y me vacía.,
con un grito de esperanza,
te digo adiós. al saber,
cómo vacía.,
y con un grito de esperanza,
te digo adiós.,
y no sabemos ni nuestros nombres,
no ignoramos nuestros excesos,
pero tu sola presencia me enferma,
y me vacía.,
con un grito de esperanza,
te digo adiós.,
al saber,
cómo vacía.,
y con un grito de esperanza,
te digo adiós.

domingo, 7 de outubro de 2007

Excalibur (07OUT85)

Quando o Cinema "Charlot", ainda existia e passava filmes (há 22 anitos), lembras-te Big Brother?

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

SAMURAI

O nome "samurai" significa, em japonês, "aquele que serve". Portanto, a sua maior função era servir, com total lealdade e empenho, os Daimyo (senhores feudais) que os contratavam. Em troca dos seus serviços recebiam privilégios tais como terras e/ou pagamentos (geralmente eram efetuados em arroz, numa medida denominada koku (200 litros)).
Contudo o termo mais apropriado para Samurai é bushi (武士) (cujo o significado literal é "guerreiro ou homem de armas") denominação usada durante o período Edo. Pode-se dizer, no entanto, que o termo "Samurai" refere-se normalmente à nobreza guerreira e não ao comum soldado de infantaria alistado.
Um samurai sem ligações a um clan ou Daimyo era denominado de Ronin (literalmente "homem-onda", significando que se tratava de um guerreiro errante como uma onda perdida no meio do oceano).
Os Samurais existiram durante quase oito séculos (séc. VIII ao XIX), ocupando o mais elevado estatuto social durante a existência da ditadura militar nipônica denominada Shogunato. Eram pessoas treinadas desde muito pequenas para seguir o Bushido, o Caminho do Guerreiro.
O Samurai era uma pessoa muito orgulhosa, fazendo sempre pervalecer os seus valores daí que se seu nome fosse desonrado ele prontamente executaria o harakiri ou seppuku (suicídio honrado de um samurai no qual usa uma tanto (faca) ou Wakizashi (espada pequena), enfiando-a no estômago cortanto o ventre diagonalmente para cima), sendo pois preferível morrer com honra do que viver sem esta.
Inicialmente, os samurais eram apenas coletores de impostos e servidores civis do Império. Era um período marcial em que eram precisos homens fortes e qualificados para estabelecer a ordem e muitas vezes ir contra a vontade da população em geral (camponeses).
Posteriormente, por volta do século X, foi oficializado o termo "samurai", e este ganhou uma série de novas funções, como a militar. Nessa época, qualquer cidadão podia tentar tornar-se um samurai, bastando para isso adestrar-se no Kobudo (conjunto de artes marciais praticadas pelos samurais), criando desta forma uma reputação e procurando ser o mais habilidoso possível de forma a ser contratado por um senhor feudal.
Assim foi até ao Xogunato dos Tokugawa, iniciado em 1603, altura em que pertencer a classe dos samurais passou a ser um estatuto (talvez até uma casta, aparte do resto da sociedade de então). O título de "samurai" passou apartir desta altura a ser passado de pai para filho, criando-se uma linhagem.
Destacou-se nesta época medieval japonesa um grande samurai de nome Miyamoto Musashi, um guerreiro de origens humildes vindo do campo, que participou da batalha de Sekigahara e iniciou um longo caminho de aperfeiçoamento. Vindo Miyamoto Musashi a derrotar os Yoshioka em Kyoto e a vencer o grande Sasaki Kojiro, outro grande samurai.
No fim da era Tokugawa, os samurais eram burocratas aristocráticos ao serviço dos Daimyo, com as suas Katana (espada grande) servindo apenas para fins cerimoniais.
Com as reformas da era Meiji, no final do século XIX, a classe dos samurais foi abolida e foi estabelecido um exército nacional ao estilo ocidental. O rígido código samurai, chamado Bushido, ainda sobrevive, no entanto, na actual sociedade japonesa, bem como muitos outros aspectos do seu modo de vida de então.
Os Samurais, como classe social, deixaram de existir em 1868, com a restauração Meiji, quando o imperador retomou o poder do país. Porém o seu legado continua até nossos dias, influenciando não apenas a sociedade japonesa, mas também o ocidente.

SOME GIRLS ARE BIGGER THAN OTHERS




From the ice-age to the dole-age


There is but one concern


I have just discovered :




*


Some girls are bigger than others


Some girls are bigger than others


Some girl's mothers are bigger than


Other girl's mothers




*


Some girls are bigger than others


Some girls are bigger than others


Some girl's mothers are bigger than


Other girl's mothers




*


As Anthony said to Cleopatra


As he opened a crate of ale :
Oh, I say :




*




Some girls are bigger than others


Some girls are bigger than others


Some girl's mothers are bigger than


Other girl's mothers




*




Some girls are bigger than others


Some girls are bigger than others


Some girl's mothers are bigger than


Other girl's mothers




*


Send me the pillow ...


The one that you dream on ...


Send me the pillow ...


The one that you dream on ...


And I'll send you mine




*




The Smiths

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

NATIONAL BASKET ASSOCIATION




A National Basketball Association (ou NBA) é considerada a principal liga de basquetebol do mundo, sendo disputada na América do Norte. Criada em 1946 sob o nome de BAA (Basketball Association of America). Fundiu-se em 1949 com a NBL (National Basketball League) e renomeada com o nome actual de NBA.
O seu campeonato (profissional) compreende 30 clubes (29 dos E.U.A e 1 do Canadá), estando estes divididos em 2 conferências (Este e Oeste) e estas últimas por suas vez também divididas em três Divisões. No final de uma temporada regular de 82 jogos, as 16 equipas melhor classificadas (8 de cada conferência) enfrentam-se então nos playoffs (fase final da competição disputada no máximo sete jogos) existindo assim um campeão de cada uma das conferências, o qual irá disputar com o outro vencedor o título de campeão da NBA.

*
Conferência Leste
*
Divisão do Atlântico
Boston Celtics; New Jersey Nets; New York Knicks; Philadelphia 76ers; Toronto Raptors.

*
Divisão Central
Chicago Bulls; Cleveland Cavaliers; Detroit Pistons; Indiana Pacers; Milwaukee Bucks.

*
Divisão Sudeste
Atlanta Hawks; Charlotte Bobcats; Miami Heat; Orlando Magic; Washington Wizards.

*
Conferência Oeste

*
Divisão Sudoeste
Dallas Mavericks; Houston Rockets; Memphis Grizzlies; New Orleans Hornets; San Antonio Spurs.

*
Divisão Noroeste
Denver Nuggets; Minnesota Timberwolves; Portland Trail Blazers; Seattle SuperSonics; Utah Jazz.

*
Divisão do Pacífico
Golden State Warriors; Los Angeles Clippers; Los Angeles Lakers; Phoenix Suns; Sacramento Kings.

Blade Runner- tears in the rain

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Prince of Persia Warrior Within : Godsmack - I stand Alone

CIDADE DO PORTO


Com origem num povoado pré-romano, designava-se na época Romana Cale ou Portus Cale, sendo a origem do nome de Portugal. No ano de 868 ,Vimara Peres, fundador da terra portucalense, teve uma importante contribuição na conquista do território aos Mouros, restaurando assim a cidade de Portucale.
Em 1111, D. Teresa, mãe do futuro primeiro rei de Portugal, concedeu ao bispo D. Hugo o couto do Porto. Das armas da cidade faz parte a imagem de Nossa Senhora. Daí o facto de o Porto ser também conhecido por "cidade da Virgem", epítetos a que se devem juntar os de "Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta", que lhe foram sendo atribuídos ao longo dos séculos e na sequência de feitos valorosos dos seus habitantes, e que foram ratificados por decreto de D. Maria II de Portugal.
Foi dentro dos seus muros que se efectuou o casamento do rei D. João I de Portugal com a princesa inglesa D. Filipa de Lancaster (Lencastre). Orgulhando-se ainda de ter sido o berço do Infante D. Henrique, o navegador.

Devido aos sacrifícios que fizeram para apoiar a preparação da armada que partiu, em 1415, para a Conquista de Ceuta, tais como a oferta pela população do Porto aos expedicionários de toda a carne disponível, ficando apenas com as tripas para a sua alimentação, os naturais do Porto ganharam desde então a alcunha de "tripeiros", uma expressão mais carinhosa que pejorativa. Confeccionando com estas tripas um prato saboroso que é hoje em dia o prato tradicional da cidade, as "Tripas à moda do Porto", menu obrigatório em qualquer restaurante.
A Cidade do Porto desempenhou um papel preponderante na defesa dos ideais do Liberalismo nas batalhas do Século XIX, demonstrando elevada coragem no cerco que suportou por parte das tropas Miguelistas durante a Guerra Civil de 1832-1834 e os feitos valerosos cometidos pelos seus habitantes — o famoso Cerco do Porto — valeram-lhe mesmo a atribuição, pela rainha D. Maria II, do título — único entre as demais cidades de Portugal — de Invicta Cidade do Porto (ainda hoje presente no listel das suas armas), sendo frequentemente mencionada por - a «Invicta». Alberga numa das suas muitas igrejas - a da Lapa - o coração de D. Pedro IV de Portugal, que o ofereceu à população da cidade em homenagem ao contributo dado pelos seus habitantes à causa liberal.

WHO AM I ???

A minha foto
Wait until the war is over And we're both a little older The unknown soldier